Dançar Não Tem Preço | SETEMBRO

Dançar Não Tem Preço é a rubrica do LES CORPS que divulga espectáculos e eventos de dança gratuitos ou de preço simbólico (até 5€). Queremos incluir nesta agenda mensal espectáculos, performances, oficinas e exposições de todo o país. Para divulgação, por favor envie informações para: redacao@lescorpsdansants.com.

nonasdontcry
© divulgação / Novas Invasões

Performance

Nonna(s) Don’t Cry, do Dírtz Theater

1 de Setembro | 19h00 | Praça Dr. Alberto Manuel Avelino, Torres Vedras

Acesso livre

Inserido no Novas Invasões

«Nonna(s) Don’t Cry é uma homenagem poética ao processo de envelhecimento. Um solo que acaba por se desdobrar num dueto e num diálogo físico entre duas mulheres de idades e gerações distintas. Um espetáculo simples e terno que propõe uma reflexão sobre o corpo e o devir, através da relação performativa entre dança, teatro físico e manipulação de marionetas.» Novas Invasões

Encenação Jolanda Löllmann e Charlie Denat
Interpretação e marioneta Jolanda Löllmann
Figurinos Cinzia Derom
Desenho de luz Floriane Malinski

Mais info Novas Invasões

ebora.companhia triana.divulgacao
© divulgação / Artes à Rua

Espectáculo

Ebora, pela Companhia de Triana

1 de Setembro | 22h00 | Igreja de São Vicente, Évora

Entrada livre

Inserido no Artes à Rua

«Qualquer cidade tem a sua história mitológica, e nós achamos a nossa, bem escondida na Fundação de Évora.
Elbora nasceu filha de um rei que não tinha nome. Quando o rei morreu, Elbora mandou construir uma torre muito alta e forte que nunca se conseguiu destruir. Teve dois filhos, Evora e Evorinho.

Depois da morte de Elbora os dois irmãos separaram-se e dividiram a cidade em duas: a de cima, onde vivia Evora e a debaixo, onde vivia Evorinho.

[…] Hoje, podemos ver uma cidade rica em património, um território de paz, de liberdade em desenvolvimento pela sustentabilidade e cultura.» Companhia de Triana

Interpretação Inês Ramalhinho, Bruno David, Helena Peres, Margarida Neves, Maria Beatriz Miranda, Sofia Abraços, Raquel Lousa e Raquel Nobre
Texto João David, João Marques e Maria Beatriz Miranda

Mais info Companhia de Triana

pauliteiros de miranda.divulgacao
© divulgação / Pauliteiros de Miranda

Espectáculo

Pauliteiros de Miranda

5 de Setembro | 21h30 | Teatro Municipal de Bragança

Entrada livre

Inserido no Algures a Nordeste

«Os Pauliteiros de Miranda são um grupo de dança original das Terras de Miranda do Douro com antecedência denominada “dança de espadas”.
Sem certezas quanto à sua categoria, na dança dos Pauliteiros podemos identificar elementos guerreiros, religiosos e rituais de dança.
Nos dias de hoje, os Pauliteiros de Miranda têm uma contribuição fundamental na divulgação desta dança tão particular.» Algures a Nordeste

Mais info Algures a Nordeste

tristaoisolda.jose.estiveira
© José Estiveira

Espectáculo

Tristão e Isolda, de Nélia Pinheiro, pela Companhia Dança Contemporânea Évora

7 de Setembro | 21h30 | Teatro Municipal de Bragança

Entrada livre

Inserido no Algures a Nordeste

«Embora acolha o título da ópera de Wagner e se inspire nos momentos marcantes do seu libreto, esta criação não é exactamente uma revisitação do clássico da ópera.
Desenvolve uma viagem sensorial própria, abordando a irracionalidade, o desejo, a dependência do ser humano perante o amor, a mulher (uma descida à sua condição feminina e erótica).
Um espectáculo multidisciplinar entre a dança, o teatro e a música.» Algures a Nordeste

Direcção e coreografia Nélia Pinheiro
Interpretação Gonçalo Andrade e Nélia Pinheiro
Música original César Viana

Mais info Algures a Nordeste

pupilosdokuduro.luisnovais
© Luís Novais

Oficina

Afro House e Kuduro, com Osvaldo Aires e Miguel Albino

8 de Setembro | 18h00 | Jardim da Administia Internacional, Lisboa

Entrada livre

Inserido no Cultura na Rua

«O kuduro surgiu nos bairros de Luanda nos anos 80 como um estilo de dança e evoluiu para um género musical, tendo-se tornado um fenómeno musical nos países de língua portuguesa, mas também noutras partes do mundo. O afro-house apareceu no lastro do sucesso do kuduro e hoje é o género que se ouve mais em Angola. Atreva-se a soltar as pernas e os braços ao som destas batidas enérgicas, com a ajuda dos professores Osvaldo Aires e Miguel Albino. Prometemos que a seguir já não precisa de fazer agachamentos!» Cultura na Rua

Mais info Cultura na Rua

chulo.rafaelajacinto
© divulgação / Rua das Gaivotas 6

Performance 

Chulo (Choo-Low), de Rafaela Jacinto

12 a 15 de Setembro | 21h30 | Rua das Gaivotas 6, Lisboa

Preço: 5 €

Inserido no Young Emerging Performers

«Se o Nilo no Egipto, o Tigre e o Eufrates na Mesopotâmia e o Yangsté na China deram lugar às primeiras civilizações urbanas, [pago-te 20€ para flertares com o meu vizinho hetero] this was something glamorous and dangerous and vibrant and sexy. This was electroclash.
Rippin Kittin brincando na rodada (x4) oooooooo, pronto parei. Não consigo escrever sobre pressão.
A erupção do Vesúvio sepultou Pompeios, Herculano e Estábias. A narrativa prossegue. As cinzas caíam sobre os navios ficando mais quentes e densas.
¡Qué Chula! – Hey Girl!
Cansei de quem sobe no elevador à custa de quem lhe carrega no botão. Não tenho nada para dar (x2) mas também não estou morta e o Electroclash também não: MoMA is tired, MoMA needs rehearsal.» Rua das Gaivotas 6

Dramaturgia e interpretação Rafaela Jacinto
Apoio à criação, figurinos e espaço cénico Mariana Monteiro
Maquilhagem Ophelia Rocha
Voz-off Alex
Coreografia Marta de Sousa Correia

Mais info Rua das Gaivotas 6

Fraternidade-fotodivulgacaoutero
© divulgação / Útero

Espectáculo

Fraternidade II, de Miguel Moreira

13 de Setembro | 21h30 | Teatro Aveirense, Aveiro

14 de Setembro | 21h30 | Cine-Teatro Avenida, Castelo Branco

Preço: 5 €

«A fraternidade talvez seja o elo mais forte que liga todos os seres humanos numa tentativa de se entenderem e de perceberem a diferença que existe em cada um de nós.
Gostava de focar a peça no tempo e nos rituais de crescimento que nos fazem afirmar que uma pessoa é jovem ou velha ou que está na meia-idade. Na história de cada um que é inconfundível, mas que ao mesmo tempo se parece com tanta gente que conhecemos.
A mulher-sociedade, a mulher-mãe, a mulher. A mulher. O centro.
Li um diário de um senhor que escreveu diariamente desde os 83 anos até aos 92 anos.
Todos os dias mapeou o tempo da sua vida. O mais surpreendente é que é podemos ver no diário, a cada dia, a hora que se deitava, a hora que acordava e a hora que voltava a adormecer. Há um hiato é que não sabemos o que se passou. O tempo da insónia. Esse tempo é o tempo que de uma forma metafórica deveríamos conseguir dançar. Dançar o tempo da insónia.
O tempo ser visto tem sido um dos pontos fundamentais do nosso trabalho. O tempo é visto, cria uma tensão a que chamamos “estado”. Neste “estado” é que cada bailarino entra e dança a sua dança, mesmo sendo passos do coreografo. O bailarino afirma a sua individualidade que o faz ser um co-criador das peças.» Teatro Aveirense

Criação Miguel Moreira
Co-criação e interpretação Carolina Faria, Cláudia de Serpa Soares, Luís Guerra, Maria Fonseca, Miguel Moreira, Sara Garcia e Kako Antony
Música original ao vivo Miguel Toscano
Música gravada Rui Bentes (Projecto Shhh…) – Mistura de Cello Concerto – Concerto in E minor, opus 85 de Edward Elgar
Desenho de luz Rui Monteiro
Vídeo João Pedro Fonseca
Cenografia e colaboração desenho de luz Jorge Rosado

Mais info Teatro Aveirense; Cultura Vibra

cavalo-marinho
© Lúcia Costa

Espectáculo

Cavalo~Marinho, de Madalena Victorino

13 e 14 de Setembro | 10h30 e 14h30 | Teatro de Vila Real

Entrada livre

Inserido no Algures a Nordeste | Para crianças dos 3 aos 7 anos

«É uma peça curta de dança e música para a pequena infância. Com um desenho muito portátil e muito participativo, crianças entre os 3 e os 7 anos entram em relação com os materiais de um universo híbrido que se joga entre o mar e a serra. O cavalo~marinho é o resultado do amor entre uma estrela-do-mar e um cavalo. As crianças correm como cavalos, cantam como meninos e mergulham num oceanário imaginário feito de nada e de uma alegria contagiante que as duas intérpretes imprimem a este momento performativo delicado e forte em simultâneo, arrebatando assim a atenção das crianças em todos os seus instantes.» Madalena Victorino

Direcção artística Madalena Victorino
Co-criação e interpretação Alice Duarte e AnaRaquel
Música e sonoplastia AnaRaquel
Adereços, figurinos e cenografia Alice Duarte, AnaRaquel e Madalena Victorino

Mais info Algures a Nordeste

lento e largo.divulgacaotmg
© divulgação / Teatro Municipal da Guarda

Espectáculo

Lento e Largo, de Jonas & Lander

14 de Setembro | 21h30 | Teatro Municipal da Guarda

Preço: 5 €

«Com um ambiente cénico baseado e influenciado pelo trabalho de Hieronymous Bosch, Jonas & Lander inscrevem performers robóticos e humanos para criar um apocalipse visual. Numa paisagem irreal, ambas as entidades irão socializar, dançar, beijar, ordenar e obedecer, de igual para igual. São explorados os limites de virtuosismo performativo, mais ou menos subtil, de cada performer. A capacidade robótica de voar sobre a audiência contrasta, por exemplo com a capacidade humana de beijar dilatando e esbatendo as fronteiras de acção de cada organismo.
Estes robôs irão dar músculo a um universo absurdo vestindo e expondo materiais orgânicos como peles, escamas ou chifres inspirados na taxidermia pária de Enrique Gomez de Molina. Lento e Largo é uma qualidade específica da música clássica que descreve um determinado andamento e atmosfera inundados pela melancolia. A amplitude desta atmosfera influencia as ações e coreografias que podem transbordar do palco até aos limites da sala.» Teatro Municipal da Guarda

Direcção artística, coreografia e interpretação Jonas Lopes e Lander Patrick, Ana Vaz, Lewis Seivwright e Mathilde Bonicel
Cenografia e adereços Rita Torrão
Cenografia, desenho de luz e direcção técnica Rui Daniel
Assistência técnica e à robótica Joana Mário

Mais info Teatro Municipal da Guarda

nasubstanciadotempo.cpbc
© divulgação / Companhia Portuguesa de Dança Contemporânea

Espectáculo

Na Substância do Tempo, de Vasco Wellenkamp e Miguel Ramalho, pela Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo

14 de Setembro | 21h30 | Teatro Municipal de Bragança

19 de Setembro | 21h30 | Teatro de Vila Real

Entrada livre

Homenagem a Sophia de Mello Breyner Andresen

Em Redor Da Suspensão

«Na obra que criarei inspirado na poesia de Sophia de Mello Breyner Andresen começarei por incutir no processo criativo o sentimento que a sua poesia me instiga, incitando os bailarinos a espantarem-se e a deixar que a sensação vivida no interior das nossas condições ontológicas irradie imagens em movimento que, entretecidas com as leis da gravitação interna dos passos de dança, surjam como substância transfigurada. E, sendo cada passo a sequência lenta ou acelerado o do passo anterior, é no encadeamento de todos eles que a obra se edifica, se amplia e ganha vida própria. Esse é o momento em que a técnica de dança, estando lá, se dilui na maquinaria do corpo e na força dos músculos para dar passagem à emoção inicialmente incutida. Aqui, é o momento em que o discurso coreográfico se assume como metáfora. Imaginemos a figura frágil que baila em redor da suspensão; um grupo de gente angustiada e cingida dentro de um feixe mínimo de luz; o vôo que atravessa o espaço com o ímpeto de um salto; o personagem que desliza até ao chão por uma rampa imaginária; aquele que abraça para falar de amor, ou que, num gesto de abandono e desalento, se deixa simplesmente cair. […]» Vasco Wellenkamp

Coreografia Vasco Wellenkamp e Miguel Ramalho
Música Sergei Rachmaninoff
Figurinos Liliana Mendonça
Luz Ricardo Campos

Outono – Para Graça

Coreografia e cenografia Vasco Wellenkamp
Música Gustav Mahler (Adagietto da 5ª Sinfonia)
Figurinos Liliana Mendonça
Luz Ricardo Campos
Interpretação Patrícia Henriques e Miguel Ramalho

Requiem (Nova versão)

«[…] Deixando-se conduzir pela energia contagiante da Sinfonia de Requiem de Benjamin Britten, […] Wellenkamp inflamou física e emocionalmente os bailarinos […] .Wellenkamp esgota todos os crescendos da partitura, todas as vibrações fortes da música, com pernas que chicoteiam o ar e uma fisicalidade abandonada que desafia cada tendão do corpo. Embora o impulso do movimento, suavemente temperado com um lirismo esporádico, seja de cortar a respiração, é o sublinhado emocional que dá a este trabalho a sua verdadeira força. (…) No momento em que os seus bailarinos entram calmamente num distante túnel de luz, Wellenkamp já nos tinha firmemente seguros na palma da sua mão.» Emma Manning

Coreografia Vasco Wellenkamp
Figurinos Liliana Mendonça
Música Benjamin Britten
Luz Orlando Worm

Mais info Algures a Nordeste

riteofdecay.divulgacaojoanacastro
© divulgação / Joana Castro

Espectáculo

Rite of Decay, de Joana Castro

14 de Setembro | 21h30 | Junta de Freguesia de Campanhã, Porto

Entrada livre

Inserido no Cultura em Expansão

«A artista parte da ideia da destruição de crenças, de poder, de amor, onde o corpo se cinge à sua própria insignificância e se torna matéria sem alma, entregando-se à gravidade em direção à decomposição e à poeira.
Um último discurso, onde a morte antes de morrer se transforma num lugar de lamento.
A gestão de um corpo em decadência, que se expõe, que falha, onde o tudo e o nada, a persistência e a renúncia, a presença e a ausência, o equilíbrio e a queda se defrontam na tentativa de reconciliação com o fim. O fim do mundo como uma metáfora para a nossa própria degradação.» Cultura em Expansão

Concepção, criação coreográfica e cénica, texto e documentação Joana Castro
Som ao vivo e interpretação Diana Combo e Joana Castro
Desenho de luz Cárin Geada
Figurinos Silvana Ivaldi
Assistência e aconselhamento Maurícia | Neves

Mais info Cultura em Expansão

invisiblewires.fotodivulgacaotvilareal
© divulgação / Teatro de Vila Real

Espectáculo

Invisible Wires, de La Macana & Julio César Iglesias Ungo

14 de Setembro | 22h00 | Teatro de Vila Real

Entrada livre

Inserido no Algures a Nordeste

«Com cinco intérpretes em cena e a música original ao vivo do belga Niko Hafkenscheid, ‘Invisible Wires’ é uma proposta intensamente física, envolvida num ambiente surrealista ao estilo mais puro do coreógrafo Julio César Iglesias Ungo. Uma mistura selvagem de personagens atormentadas cavalgando entre o disparate, a morte, o amor e as recordações fragmentadas de todas elas.
Una experiência intensa com uma fisicalidade deliciosa.» Algures a Nordeste

Direcção artística Julio César Iglesias Ungo
Assistência de direcção Caterina Varela
Interpretação Alexis Fernández, Janis Heldmann, Jorge Jáuregui, Claudia Iglesias e Julio César Iglesias
Música ao vivo Niko Hafkenscheid
Desenho de luz Alfonso Castro

Mais info Algures a Nordeste

romance.ligiasoares.danielpinheiro
© Daniel Pinheiro

Espectáculo

Romance, de Lígia Soares

15 de Setembro | 17h00 | Junta de Freguesia de Campanhã, Porto

Entrada livre

Inserido no Cultura em Expansão

«Na sequência de uma pesquisa sobre a criação de dispositivos cénicos que possam integrar a presença do público, a coreógrafa e dramaturga Lígia Soares criou Romance, uma peça que passa pela simples ação de pedir diretamente para dizer, enchendo de palavras a boca do espectador.
Este pedido ou comando torna-se simultaneamente um ponto de relação entre o público e o performer e um meio de diálogo entre os vários espectadores. Vozes e perspetivas plurais são assim incluídas num texto que
parodia e reflete sobre a falência do discurso da classe média no mundo ocidental, denunciando o que está por detrás do politicamente correto. O dispositivo contém em si a força ou o perigo de se falar com as palavras de outro, criando fortes jogos de identificação e repulsa através do que é dito.» Cultura em Expansão

Concepção, texto e interpretação Lígia Soares
Música Mariana Ricardo
Apoio à dramaturgia Miguel Castro Caldas
Design gráfico Filipe Pinto
Figurino Tânia Afonso e Lígia Soares

Mais info Cultura em Expansão

dianarego.luisconde

Oficina

Dança do Ventre e Bollywood, com Diana Rego

15 de Setembro | 18h00 | Jardim da Cerca da Graça, Lisboa

Entrada livre

Inserido no Cultura na Rua

«Sempre sentiu um fascínio pela dança do ventre, mas nunca teve coragem de experimentar? Apesar da sensualidade dos movimentos, esta dança tem origem em ritos religiosos ancestrais e há já registos da sua existência no Antigo Egipto ou na Babilónia. A dança envolve movimentos vibrantes, ondulações e rotações que envolvem o corpo como um todo. Contagiante é é o adjetivo para a dança que se segue: a dança dos filmes indianos de Bollywood. Coreografias divertidas com um ritmo acelerado que irão por à prova a sua capacidade de coordenação. Nada tema, porque a professora e bailarina Diana Rego estará lá para o amparar.» Cultura na Rua

Mais info Cultura na Rua

ideias em palco.divulgacao ddd
© divulgação / Dance Dance Dance

Tertúlia

Ideias em Palco: Refletir a Dança no Século XXI, com Maria Ramos e Tiago Vieira

18 de Setembro | 18h00 | Teatro das Figuras, Faro

Entrada livre, sujeita a inscrição

Inserido no Dance Dance Dance

«Nesta tertúlia iremos debater as novas perspetivas que se abrem em torno de questões como a pedagogia na dança e a sua relação com outras formas de expressão artística como o vídeo e o teatro. Exporemos as preocupações dos artistas em relação às políticas e estratégias culturais vigentes, praticadas pelo estado e agentes promotores de cultura, tendo em conta a sua repercussão na relação da dança com o público.» Dance Dance Dance

Mais info Dance Dance Dance | Inscrições bilheteira@teatrodasfiguras.pt

Arquivo-Negro-ClarissaLambert-
© Clarissa Lambert

Espectáculo

Arquivo Negro – Passos largos em caminhos estreitos, pela Companhia Pé no Mundo

18 de Setembro | 21h30 | Teatro Municipal de Bragança

Entrada livre

Inserido no Algures a Nordeste

«‘Arquivo Negro – Passos largos em caminhos estreitos’ é um espectáculo de dança contemporânea livremente inspirado em histórias de personalidades negras que não foram devidamente valorizadas nas narrativas históricas nacionais mas que se destacaram e influenciaram a história e a cultura brasileiras. Como Maria Firmina dos Reis, Carolina Maria de Jesus, Abdias do Nascimento, entre outros. O espectáculo resgata as suas histórias para garantir uma representatividade positiva e a possibilidade de recriar imaginários para os corpos negros. Afinal, não somos descendentes de escravos, somos descendentes de seres humanos africanos. Trazidos ao mundo com o direito de sermos autores e protagonistas de nossa própria história.» Algures a Nordeste

Direcção e coreografia Cláudia Nwabasili e Roges Doglas
Assistência de direcção e orientação teórica Mariana Queen Nwabasili
Elenco Andrus Santana, Cris Rother, Cláudia Nwabasili, Cristiano Saraiva, Roges Doglas e Thaís Menutole
Figurinos Juliana Andrade
Desenho de luz Rossana Boccia
Cenografia Cássia Yebra e Ana Clara Santana
Direcção de trilha sonora Alysson Bruno
Músicos Alysson Bruno, Fábio Leandro, Renato Pereira e Mauricio Pazz

Mais info Algures a Nordeste

nos e os outros.divulgacaotodos
© divulgação / TODOS

Espectáculo

Nós e os Outros, de Bruno Cochat e Filipe Raposo

19 de Setembro | 18h00 | Voz do Operário, Lisboa

Entrada livre

Inserido no TODOS – Caminhada de Culturas

«Inspirado no conto infantil “Os Barrigas e os Magriços”, de Álvaro Cunhal, a criação de Bruno Cochat para o TODOS propõe uma leitura abstracta das emoções concretas sobre as diferenças, que levam ao preconceito e ao conflito.» TODOS

Mais info TODOS

kuendaproductions.divulgacao mexe
© divulgação / MEXE

Espectáculo

Empty the Space, de António Bukhar Ssebuuma e Faiza M. Ddamba

19 de Setembro | 21h00 | Teatro Carlos Alberto, Porto

Preço: 5 €

Inserido no MEXE – Encontro Internacional de Arte e Comunidade

«Empty the Space propõe uma reflexão sobre a partilha de espaço no espaço global do mundo moderno. Num palco vazio, dois bailarinos-coreógrafos ugandeses dançam, representam, negoceiam, explorando a relação entre a coreografia europeia contemporânea e a dança tradicional africana, numa poderosa proposta de diálogo intercultural.» MEXE

Coreografia e interpretação Antonio Bukhar Ssebuuma & Faizal Mostrixx Ddamba
Dramaturgia Cindy Jänicke

Mais info MEXE

nanteadance.divulgacaomexe
© divulgação / MEXE

Performance

Children of the New World, de Samwel Japhet, pela Nantea Dance

20 de Setembro | 11h00 | Estação de Metro da Trindade, Porto

21 de Setembro | 17h00 | Igreja de Santo Ildefonso, Porto

Entrada livre

Inserido no MEXE – Encontro Internacional de Arte e Comunidade

«Children of the New World é uma performance solo de dança sobre abuso infantil coreografada e interpretada por Samwel Japhet. O autor tem desenvolvido um conceito e expressão artística no sentido de dar visibilidade ao problema do abuso infantil.» MEXE

Mais info MEXE

Aqui. divulgacao todos
© divulgação / TODOS

Espectáculo

Aqui – यहाँ (Yha), de Bruno Cochat e Filipa Francisco

20 de Setembro | 19h00

21 de Setembro | 18h00

22 de Setembro | 16h00 | Liceu Gil Vicente, Lisboa

Entrada livre

Inserido no TODOS – Caminhada de Culturas

«A partir das vivências dos intérpretes, hoje lisboetas de origem nepalesa, das suas histórias de vida, suas danças, músicas e jogos, nasce esta criação contemporânea coletiva.
Vindos de diferentes países e culturas, apropriar-nos-emos das danças uns dos outros, cruzando-as, fundindo-as numa só, num “patchwork” coreográfico e dramatúrgico.
Construiremos, sempre a partir de Improvisação/Composição, uma peça de Dança/Teatro/Música, de autoria partilhada com os intérpretes, suas famílias e histórias de vida.
As barreiras inventadas, como fronteiras desenhadas a lápis num mapa convencionado. As de facto, como a língua, a religião ou a cultura. O que nos trouxe até aqui, como e porquê. O que é ser nepalês e querer ser português, são algumas das perguntas a que tentaremos dar resposta, “Aqui/YHA”, num espectáculo multilingue e intercultural.
Passado e Futuro, histórias e sonhos, encontram-se num momento Presente, em palco.» TODOS

Concepção e direcção artística Filipa Francisco e Bruno Cochat
Composição e direcção musical Ricardo A. Freitas
Assistência de direcção Beatriz Dias
Co-criação e interpretação alunos da Escola Secundária Gil Vicente

Mais info TODOS

colectivolisarco.mexe
© divulgação / MEXE

Espectáculo

Synectikos, do Colectivo Lisarco

20 de Setembro | 21h00 | Teatro Carlos Alberto, Porto

Preço: 5 €

Inserido no MEXE – Encontro Internacional de Arte e Comunidade

«Em Synectikos, o Colectivo Lisarco, de Espanha, continua a pesquisa em torno do conceito de espaço, aplicando-lhe o método da técnica Synectics, processo sinérgico de estimulação do pensamento criativo através da combinação de elementos vários, aparentemente insignificantes e desconexos, tema certamente a incluir na oficina que o grupo promove no dia anterior ao espetáculo. Nesta peça coreográfica feita da interação entre dança, música e artes visuais, os criadores-performers geram uma contínua construção-destruição-reconstrução do espaço físico, sugerindo nessa metamorfose novas lógicas de relacionamento de grupo e criando um espaço poético entre diferentes imaginários.» MEXE

Coreografia Colectivo Lisarco
Música David Quiggle, Jordi Cresus e Lola Díez
Artes visuais Ícaro Maiterena
Criação e interpretação Marcos Lázaro, Aiala Urcelay, Marta Navarrete, Javier Alameda, Guiomar Campos, Icaro Maiterena, David Quiggle, Jordi Cresus e Lola Díez

Mais info MEXE

murmuriospedroines.fotodivulgacao
© divulgação / Algures a Nordeste

Espectáculo

Murmúrios de Pedro e Inês, de Fernando Duarte

21 de Setembro | 19h00 | Teatro Municipal de Bragança

Entrada livre

«Dois bailarinos passam pelos vários quadros da conhecida história de amor de Pedro e Inês.
Materializam a história de um tempo já distante, mas também a transpõem para o tempo presente e, principalmente, para um tempo interior a cada um de nós.
Duas sonoridades embalam esta dança a dois: música de compositores portugueses e um texto que capta o que a língua portuguesa tem de mais harmonioso e melódico.» Algures a Nordeste

Direcção artística e interpretação Solange Melo e Fernando Duarte
Coreografia Fernando Duarte
Música Bernardo Sassetti e Fernando Lopes-Graça
Texto Afonso Cruz 
Figurinos José António Tenente,
Desenho de luz VP
Instalação ‘A Caixa dos Murmúrios’ Pedro Crisóstomo
Gravação de voz e sonoplastia Joel Martins para Big Bit

Mais info Algures a Nordeste

flecha.pablo lopez
© Pablo Lopez

Espectáculo

Flecha, de Luara Learth Moreira

21 de Setembro | 21h30

22 de Setembro | 18h00 | Oficinas Gerais do Fardamento e Equipamento, Lisboa

Entrada livre 

Inserido no TODOS – Caminhada de Culturas

«Objeto pontiagudo disparado no ar perfurante e ancestral ato de reivindicar corpos impossíveis dança revolta grito torto feito faca máscara de pele arrancada retomada do território engasgo sobre o cinismo ou pra te lembrar do genocídio uma tapa na cara pra reavivar a memória um ebó para tornar o presente possível.» TODOS

Mais info TODOS

quandoquebraqueima.mexe
© divulgação / MEXE

Espectáculo

Quando Quebra Queima, da ColetivA Ocupação

22 de Setembro | 17h00 | Escola Alexandre Herculano, Porto

Entrada livre

Inserido no Cultura em Expansão e no MEXE – Encontro Internacional de Arte e Comunidade

«Quando Quebra Queima é simultaneamente um espetáculo, uma festa e um ato de revolta que decorre próximo do público, transformando o espaço cénico a todo o momento, e trazendo o real para dentro de cena.
Em outubro de 2015, o Governo do Estado de São Paulo tentou impor um projeto de reorganização e encerramento de mais de 100 escolas estatais, sem consultar ou considerar a vontade dos estudantes e da comunidade escolar. Em resposta a esse projeto autoritário, um grupo de estudantes,
de várias regiões, ocuparam as suas escolas, e conseguiram impedir a reestruturação. Nesse movimento de insurreição, que foi seguindo por vários espaços, manifestaram-se diferentes formas de expressão e movimento, numa tentativa de “pensar através do corpo”. Desse desejo e experimentação, a ColetivA Ocupação foi formada.
Neste espetáculo, que leva esse movimento para um novo espaço – a Escola Alexandre Herculano –, a revolta ganha uma nova frente através do teatro: um grito, uma dança-luta coletiva construída a partir de diferentes corpos, desejos e afetos.» Cultura em Expansão

Criação e performance Abraão Santos, Alicia Esteves, Alvim Silva, André Dias Oliveira, Ariane Fachinetto, Beatriz Camelo, Gabriela Fernandes, Heitor de Andrade, Ícaro Pio, Letícia Karen, Marcela Jesus, Matheus Maciel, Mel Oliveira e Mayara Baptista
Direcção Martha Kiss Perrone
Som e performance ao vivo André Dias Oliveira, Heitor de Andrade e Martha Kiss Perrone
Dramaturgia ColetivA Ocupação
Vídeo Martha Kiss Perrone, Fernando Coster e Alicia Esteves
Figurino ColetivA Ocupação, Lu Mugayar e Gabriela Cherubini

Mais info Cultura em Expansão

flamencosevilhanas.iriscaldeira.sarahfalugo
© Sarah Falugo

Oficina

Flamenco e Sevilhanas, com Jorge Santos e Íris Caldeira

22 de Setembro | 18h00 | Praça Tenente Evangelista Rodrigues, Lisboa

Entrada livre

Inserido no Cultura na Rua

«Uma tarde dedicada ao flamenco e às sevilhanas, dois estilos de dança parecidos e que muitas vezes são confundidos. Neste workshop, venha descobrir as diferenças e experimentar estas danças que fazem sempre um brilharete nos salões e festas, por esse mundo fora. Nascidas de uma fusão de várias culturas, a sua execução ritmada exige algum virtuosismo, mas também dramatismo e emotividade nos movimentos de braços, nas voltas e golpes de pés. A conduzir a coreografia estarão os professores Jorge Santos e Ísis Caldeira.» Cultura na Rua

Mais info Cultura na Rua

tudoquantovi.pamela smith
© Pamela Smith

Espectáculo

Tudo Quanto Vi, de Fernando Duarte, pela Dança em Diálogos

25 de Setembro | 21h30 | Teatro de Vila Real

Entrada livre

Inserido no Algures a Nordeste

«UM POEMA COREOGRÁFICO PARA SOPHIA
Uma performance poética que celebra a obra Sophia de Mello Breyner Andresen, revelando que a sua poesia poderá ser absorvida e partilhada através de diversas perspectivas. Num subtil entrelaçar entre poema e música, as palavras de Sophia são metamorfoseadas em imagens em movimento, por vezes fragmentadas, sobrepostas ou até silenciosas, procurando uma fusão entre a linguagem neo-clássica e contemporânea. Um diálogo entre dança e sonoridade poética, corporificando uma dupla antologia rítmica da escrita e da escritora.» Algures a Nordeste

Direcção artística Solange Melo e Fernando Duarte
Coreografia Fernando Duarte
Poemas Sophia de Mello Breyner Andresen
Selecção de poemas Nicolau Santos
Música Fernando Lopes-Graça, J. S. Bach, Luís de Freitas Branco e Luís Tinoco
Figurinos Solange Melo
Desenho de luz VP
Interpretação Solange Melo, Fernando Duarte, Carlota Rodrigues e Teresa Silva Dias

Mais info Algures a Nordeste

bearme.andre mendes
© André Mendes

Espectáculo

Bear Me 2014, de Cristina Planas Leitão

26 de Setembro | 21h30 | Teatro Aveirense, Aveiro

Preço: 3 €

«“bear me” explora o conceito de relação: a relação entre Eu e Tu, entre Performer e Público, entre Homem e Sociedade. Uma viagem metafórica vulnerável e exposta, criada pela sobreposição de diversas camadas, de onde emerge um corpo distorcido e incompleto. Cria-se o espaço necessário que permite ao público entrar num local íntimo e isolado do intérprete, onde são estabelecidos paralelismos entre as relações íntimas e interpessoais de uma forma ambígua, potenciando vários desdobramentos e duplos significados. O espaço “entre”, intensifica o limbo que existe entre os dois personagens, bem como a solidão e intimidade que pertencem a um terceiro corpo híbrido.» Teatro Aveirense

Direcção, coreografia, texto, cenografia e figurinos Cristina Planas Leitão
Interpretação Alexandra Verschuuren
Sonoplastia Cristina Planas Leitão & amp; Pedro Neves (com Hurt – Nine Inch Nails)
Coaching e aconselhamento dramatúrgico Mala Kline no contexto do projeto de pesquisa Conquering the studio: a time for research e Vânia Rovisco, no contexto do programa de residências da Companhia Instável
Apoio artístico e participação na fase de pesquisa Catarina Miranda, Joana von Mayer Trindade, Mara Andrade e Marco da Silva Ferreira
Desenho de luz Cristina P. Leitão, em colaboração com João Teixeira e Diogo Barbedo

Mais info Teatro Aveirense

lafiesta.laurentphilippe
© Laurent Philippe

Oficina

La Fiesta, com Israel Galván

27 de Setembro | 11h00 | Teatro Rivoli, Porto

Preço: 2,50 € ou entrada livre, mediante apresentação do bilhete para o espectáculo La Fiesta

«O desafio é que todos, independentemente de terem ou não prática de dança, se possam expressar através do movimento, com os seus gestos. Que dancem sem pensar, sem esforço técnico e que o partilhem com todas as pessoas, subindo para o palco. Quanto às pessoas que têm experiência prévia na área da dança, pretendo que regressem à simplicidade do movimento, tentando na sua dança abrir um novo caminho para que a naturalidade surja. O objetivo, é que no final se crie um elo corporal através da dança, aprendendo uns com os outros, e que cada um descubra os seus gestos ocultos. O público é professor: tem a oportunidade de aprender com ele e ao mesmo tempo de dançar com todos e poder partilhar experiências artísticas. Vejo o Flamenco como uma chave que abre novas salas em todos os corpos.» Israel Galván

Mais info Teatro Municipal do Porto

la maleta
© Jorge Cardenas

Performance

La Maleta, de Compañia Sunny Savoy

27 de Setembro | 18h00 | Almada Forum

Acesso livre

Inserido na Quinzena de Dança de Almada

«”La Maleta” é a viagem coletiva de um grupo de pessoas próximas; representa o desejo materializado de atravessar distâncias, para dar o salto no desconhecido. A “maleta” é O OBJETO indispensável da viagem, nela se transporta a roupa, os pertences necessários para mudar de clima, de ambiente e de estado de espírito, e para transformar em lar esse novo espaço onde vamos alojar o nosso desejo, a nossa experiência e as nossas expetativas. Como diz um autor anónimo: «É a curiosidade do viajante e não a distância percorrida, que faz a viagem».» Quinzena de Dança de Almada

Coreografia Sunny Savoy
Interpretação Ana B. Diaz-Conty, Elizabeth Tijerina, Yessica Gotcha e Daniel Luis
Música original Ernesto Pérez García e Alfredo Pérez Savoy
Produção musical Eusebio Sánchez
Figurinos Valeria Valdez
Desenho de luz Pepe Cristerna

Mais info Quinzena de Dança de Almada

materiaisdiversos_LuisaBaeta
© Luísa Baeta

Debate

Entre a Urbe e a Serra: a experiência do Festival Materiais Diversos, com Elisabete Paiva e Tiago Guedes

28 de Setembro | 11h00 | Minde, Alcanena

Entrada livre

Inserido no Materias Diversos

«Tendo como mote as dez edições do Festival Materiais Diversos, e o intuito
de reflectir sobre temas relacionados com o desenvolvimento de
programação nos territórios fora das grandes urbes, a Materiais Diversos
prepara um livro com a colaboração de um conjunto de ensaístas,
investigadores e artistas. O debate Entre a urbe e a serra, com moderação
do investigador e programador cultural António Pinto Ribeiro, insere-se no
projecto livro, dando voz aos dois directores artísticos do Festival Materiais
Diversos, e potenciando olhares sobre a história da dança, das artes
performativas e dos novos centros de criação, programação e divulgação.» Materiais Diversos

Participação Elisabete Paiva e Tiago Guedes
Moderação António Pinto Ribeiro

Mais info Materiais Diversos

elcuerpohabla.gengibler
© Gen Gibler

Oficina

El Cuerpo Habla, com Sunny Savoy

28 de Setembro | 11h30 | Companhia de Dança de Almada

Entrada livre, sujeita a inscrição

Inserido na Quinzena de Dança de Almada | Para estudantes de dança

«Um workshop de exploração e investigação do corpo enquanto voz principal do diálogo cénico nos processos criativos. Utilizando os vários níveis do espaço e trabalhando o corpo como partes isoladas, mediante os princípios de Laban como flutuar, expandir, contrair, empurrar, assim como os impulsos para iniciar a ação construindo um diálogo no palco. Construir a partir da memória, das sensações e da ação/reação para criar um intercâmbio corpo a corpo. O aquecimento pretende preparar o corpo com uma ênfase integral nas suas cadeias do sistema neuro-músculo-esquelético para neutralizar o corpo relativamente aos padrões de estilos e técnicas estabelecidos com o fim de escutar o corpo e deixá-lo falar.» Quinzena de Dança de Almada

Mais info Quinzena de Dança de Almada | Inscrições quinzena@cdanca-almada.pt

mulier.juan gabriel sanz
© Gabriel Sanz

Espectáculo

Mulïer, pela Companhia Maduixa

28 de Setembro | 21h30 | Teatro de Vila Real

Entrada livre

Inserido no Algures a Nordeste

«Quando a dança chega directamente às emoções
Toda a mulher alberga no seu interior um ser selvagem e livre, uma natureza instintiva que as diferentes civilizações se esforçaram por domesticar ao longo da história. Os seus ciclos naturais viram-se obrigados a adaptar-se a ritmos artificiais para comprazer os outros, apagando-se assim os seus dons inatos criativos, instintivos e visionários. Este espectáculo é uma homenagem a todas as mulheres que durante séculos e séculos de opressão têm lutado e continuam a lutar para manter vivo o seu eu selvagem e que reclamam o direito de dançar e correr livremente pelas ruas e praças da nossa sociedade.

Um arriscado trabalho físico
‘Mulïer’ é um espectáculo de dança sobre andas interpretado por cinco bailarinas. Com esta montagem pretendemos investigar os limites físicos com a dança e o equilíbrio, o movimento e a poesia ou a força e as emoções. As mulheres são o nosso ponto de partida. O espectáculo nasce da necessidade de explorar a identidade feminina através do jogo corporal, dando ênfase à imagem, à poética visual e à narração para chegar à sensibilidade do espectador.» Algures a Nordeste

Ideia e direcção Joan Santacreu
Interpretação Laia Sorribes, Melissa Usina, Esther Latorre, Ana Lola Cosín, Lara Llavata e Paula Quiles (cover)
Coreografia Mamen García
Dramaturgia Roser de Castro
Música Damián Sánchez
Assistente de direcção Paula Llorens
Figurinos Joan Miquel Reig
Confecção de figurinos Doblette
Desenho de luz Ximo Olcina

Mais info Algures a Nordeste

De-Les-a-Les._Embalarte_
© divulgação / Quinzena de Dança de Almada

Espectáculo

De LÉS a LÉS saberás quem és, pela EmbalArte

29 de Setembro | 11h00 | Auditório Municipal Fernando Lopes-Graça, Almada

Preço: 5 € e 2,50 €

Inserido na Quinzena de Dança de Almada | Para crianças dos 6 meses aos 5 anos

«De norte a sul, do Minho ao Algarve, as nossas tradições chamam por nós. Vamos descobrir a nossa terra, ninho-mãe de tantas vidas. Aqui há corações delicados, galos constipados, mares divertidos e fados bem treinados. De lés a lés, uma viagem em família à descoberta dos sons, formas, cores e tradições portuguesas. Venham ajudar a construir um ninho de memórias e fazer amigos… Em português!» Quinzena de Dança de Almada

Criação e interpretação Ângela Ribeiro e Susana Rosendo
Apoio à criação Carla Albuquerque
Música Cantar Mais / APEM
Cenografia e adereços Companhia de Dança de Almada e EmbalArte
Trabalho de costura Ateliê Dulce Correia

Mais info Quinzena de Dança de Almada

tango.bruno de sousa
© Bruno de Sousa

Oficina

Tango / Milongas, com Graciana Romeo e Juan Capriotti

29 de Setembro | 18h00 | Rossio de Palma, Lisboa

Entrada livre

Inserido no Cultura na Rua

«Durante uma tarde, o Rossio de Palma vai ser um salão de dança ao ar livre, onde o Tango e as Milongas vão marcar o ritmo. Sobre o tango diz-se que “é uma forma de comunicar com o corpo aquilo que as palavras não conseguem expressar”, algures entre a intimidade e a precisão quase mecânica dos seus passos. Além de um estilo de dança, também são chamados de milongas os bailes onde se dança o tango, a própria milonga ou o vals argentino (uma variante da valsa vienense). Graciana Romeo e Juan Capriotti são os professores responsáveis por garantir que ninguém dá passos em falso.» Cultura na Rua

Mais info Cultura na Rua

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close