Sobre

Lançada em Novembro de 2017, LES CORPS DANSANTS é uma plataforma digital dedicada a pensar e a debater a Dança enquanto uma variedade de dialectos e linguagens, a Dança como veículo de reflexão, de contemplação, de entretenimento e de debate urgente. Uma plataforma focada na área da Dança, mas não limitada a um território geográfico ou intelectual e como tal, iremos explorar os seus diferentes horizontes.
Falar da Dança é inevitavelmente falar do corpo. Falar da(s) história(s) da Dança, é inevitavelmente falar da(s) história(s) do corpo. O CORPO dançante, O CORPO espelho, o CORPO criador, o CORPO espírito, o CORPO performático, o CORPO pensante, o próprio CORPO, o CORPO em movimento, o CORPO errante, o CORPO livre, o CORPO dançante…Falaremos de todos eles. E de outros mais. O objectivo de LES CORPS DANSANTS é pensar a Dança, criar debate e discussão – dos tópicos mundanos aos menos óbvios.

ballerina1

// Maria Palma Teixeira

Licenciada em Comunicação e Cultura, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Mestre em Marketing Communications, pela Middlesex University, Londres, desenvolveu a sua dissertação de Mestrado sobre a influência da publicidade que recorre à dança clássica no comportamento do consumidor para com a marca publicitada.

Decidiu explorar a crítica de dança em 2011, enquanto estudava em Letras, co-dirigia o Jornal da AE da Faculdade e estagiava no Departamento de Comunicação da Culturgest – Fundação CGD. Juntou-se então à webzine cultural Arte-Factos (arte-factos.net), onde criou a seção de Dança, da qual fez parte até 2016. Enquanto colaboradora da Arte-Factos, teve ainda a oportunidade de entrevistar, entre outras personalidades, Olga Roriz, Clara Andermatt e Daniel Cardoso (Quorum Ballet). Hoje em dia, a Arte-Factos dedica-se exclusivamente às áreas do Cinema e da Música. Pode, no entanto, encontrar alguns dos artigos e entrevistas de então aqui, com a data de publicação original.

Frequentou o curso de História da Dança, organizado pela Companhia Nacional de Bailado, com formação de Maria José Fazenda, assistida por Pedro Mascarenhas (2015/2016); fez voluntariado na Chisenhale Dance Space, em Londres (2015), enquanto assistente nas aulas de Dança Criativa para Crianças; e contribuiu pontualmente como Guest Blogger, para o blog da South East Dance, Brighton (2014).

Trabalha desde 2015 em media, comunicação e marketing.

// Edite Queiroz

Psicóloga, acidentalmente lisboeta. Dos tempos do Conservatório ficou o amor à música e ao ballet clássicos, mais tarde alargado à sétima arte, ao canto coral e à dança popular e contemporânea. Sempre que possível, tenta ainda cantar e dançar. Escreve sobre teatro, cinema e dança. Escreve sobre cinema na webzine Arte-Factos. Tem o seu próprio blog, Câmara Subjectiva.

// Maria Beatriz Viana

Depois de ter passado pela Escola de Dança do Conservatório Nacional, onde experimentou novas técnicas artísticas, e de ter deixado o latim para trás, decidiu seguir por um outro caminho, o da Comunicação; um caminho onde comunicar seja por inteiro e contribua para um mundo melhor e mais esclarecido. A Licenciatura em Ciências da Comunicação na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (NOVA/FCSH) fez com que se juntassem Jornalismo e Comunicação, Cultura e Artes. Destes passos, encontrou caminho para escrever sobre Arte e Dança, em particular, na secção Palcos&Letras do Espalha-Factos, para a participação na reencenação da peça «O Canto do Papão Lusitano», para a participação na Missão País da NOVA/FCSH como chefe de Teatro, e mais recentemente para a ingressão no Mestrado em Artes Cénicas em Setembro de 2017, também na NOVA/FCSH.

// Duarte Illustration

Ana Duarte é Designer de Moda, Mestre em Menswear Design and Technology, pela London College of Fashion. Apresentou a sua primeira colecção na plataforma Sangue Novo da ModaLisboa em Março de 2015. Em Outubro de 2016, integrou pela segunda vez o desfile Sangue Novo e recebeu uma Menção Honrosa, passando a integrar a plataforma LAB e a apresentar continuamente na ModaLisboa. É ilustradora com cinco livros publicados. Para mais info, consulte @duarteillustration e www.duartebrand.com.

Aquando do lançamento…

Diário de Notícias, 12 Novembro 2017: Plataforma ‘online’ Les Corps Dansants quer debater a dança e tirá-la da margem

Time Out Lisboa, 11 Novembro 2017: Les Corps Dansants: a nova plataforma online dedicada à dança

TSF, 12 Novembro 2017:  Plataforma ‘online’ Les Corps Dansants quer debater a dança e tirá-la da margem

Notícias ao Minuto, 12 Novembro 2017:  Plataforma ‘online’ Les Corps Dansants quer debater a dança e tirá-la da margem

O Jogo, 12 Novembro 2017: Plataforma ‘online’ Les Corps Dansants quer debater a dança e tirá-la da margem

FLUL Alumni, 30 Novembro 2017: Dança: Antiga aluna da FLUL lança plataforma inovadora

Espalha-Factos, 16 de Dezembro 2017:  O foco na dança em Les Corps Dansants

«The artist is the creator of beautiful things. To reveal art and conceal the artist is art’s aim. The critic is he who can translate into another manner or a new material his impression of beautiful things.

The highest as the lowest form of criticism is a mode of autobiography.

(…)

All art is at once surface and symbol. Those who go beneath the surface do so at their peril. Those who read the symbol do so at their peril. It is the spectator, and not life, that art really mirrors. Diversity of opinion about a work of art shows that the work is new, complex, and vital. When critics disagree, the artist is in accord with himself. We can forgive a man for making a useful thing as long as he does not admire it. The only excuse for making a useless thing is that one admires it intensely.

All art is quite useless.»

Prefácio de «Portrait of Dorian Gray», Oscar Wilde

%d bloggers like this:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close