Dançar Não Tem Preço | MARÇO

Dançar Não Tem Preço é a rubrica do LES CORPS que divulga espectáculos e eventos de dança gratuitos ou de preço simbólico (até 5€). Queremos incluir nesta agenda mensal espectáculos, performances, oficinas e exposições de todo o país. Para divulgação, por favor envie informações para: redacao@lescorpsdansants.com.

jukeboxcrew oficina fotoperiferias
© divulgação / Periferias

The Blkbrds & Jukebox Crew

Espectáculo

1 de Março | 21h30 | Centro Cultural Olga Cadaval, Sintra

Preço: 5€

Inserido no Periferias – Festival Internacional de Artes Performativas

«O projecto consiste na junção de The BLKBRDS – uma banda com sonoridades electro-pop-funk-disco, de Cifrão e Vasco Alves -, e JUKEBOX CREW – uma das mais reconhecidas crews de street-dance nacionais. Depois de uma passagem pelos festivais ROCK IN RIO, MEO SUDOESTE e LUMINA surge a tour em nome próprio com uma abordagem única em Portugal.» Periferias

THE BLKBRDS Vasco Alves e Cifrão
JUKEBOX CREW 
Fausto Bellucci, Silvio Ferreira, Gonçalo Cabral, Joana Harris, Sara Martins e André Garcia
Coreografia 
Vasco Alves
Desenho de luz Marco Lopes 

Mais info: Periferias

onbody.raydemski
© Ray Demski

Documentário

On Body, de Richard Siegal e Benedict Mirow, pela Ballet of Difference

2 de Março | 22h15 | RTP 2

Acesso livre

«O coreógrafo Richard Siegal, mundialmente aclamado como o mais inovador e criativo coreógrafo da sua geração, cruza fronteiras com a sua companhia Ballet of Difference, fundada em 2016. Com entusiasmo e virtuosismo, cenários excepcionais e música enérgica, os bailarinos da companhia combinam a tradição do bailado clássico, a dança contemporânea e a cultura pop num extraordinário espectáculo de dança. 

Richard Siegal e a companhia Ballet of Difference promovem o desenvolvimento do discurso da dança ao fornecer um contraste com a dança institucional actual. A companhia reúne artistas internacionais do mais alto nível com diferentes origens, culturas e estéticas. A sua diversidade é reflectida nas coreografias, onde Richard Siegal explora as fronteiras do que é norma na sociedade e junta à dança algumas das vozes mais provocadoras da moda, design, música electrónica e desenho de luzes. A união destas diversas áreas do conhecimento cria uma visão única do presente e do futuro da dança.» RTP

Coreografias, desenho de luz e vídeo Richard Siegal
Música DJ Haram, Lorenzo Bianchi Hoesch e Alva Noto
Realização Benedict Mirow, 2018

Mais info: RTP

segundafeira atenção à direita.josecaldeira
© José Caldeira

Performance

Segunda-Feira, Atenção à Direita!, de Cláudia Dias

8 de Março | 21h00 | Centro de Experimentação Artística, Moita

Entrada livre

«O primeiro espectáculo do ciclo “Sete Anos, Sete Peças” propõe-se reconstituir um combate de boxe. Ao sentimento de opressão, de que se libertam combatendo, opor-se-á o sentimento de solidariedade, entre pares, que se reforça no combate, quando se reconhecerem como iguais.

De referir que, antes do espectáculo, é apresentado o resultado final da Oficina de Movimento e Muay Thai “Se Queres Saber Pergunta!”, que decorreu no CEA, entre 4 e 7 de Fevereiro, dinamizada por Cláudia Dias e Jaime Neves, com um grupo de oito jovens do concelho.» Câmara Municipal da Moita

Conceito e direcção artística Cláudia Dias
Texto Cláudia Dias e Pablo Fidalgo Lareo
Interpretação Cláudia Dias, Jaime Neves, Karas
Treino de Boxe Tailandês Jaime Neves

Mais info: Câmara Municipal da Moita

murmuriospedroines.fotodivulgacao
© divulgação / Cultura Vibra

Espectáculo

Murmúrios de Pedro e Inês, de Fernando Duarte e Solange Melo

8 de Março | 21h30 | Cine-Teatro Avenida, Castelo Branco

Preço: 5€

«Como se entrelaçaram os amores de Pedro e Inês, Infante e Dama, Português e Castelhana? Somente as mais tocantes histórias de amor são as que terminam com um capítulo trágico. Um espectáculo onde a dança usa os dois corpos como linguagem que materializa a lenda e a emoção. Um bailado que se veste de música contemporânea como uma pele que intrinsecamente se adapta mas que também se embala com o som poético da língua portuguesa.» Cultura Vibra

Direcção artística e interpretação Solange Melo e Fernando Duarte
Coreografia Fernando Duarte
Música Bernardo Sassetti e Fernando Lopes-Graça
Texto Afonso Cruz 
Figurinos José António Tenente, 
Desenho de luz VP
Instalação ‘A Caixa dos Murmúrios’: Pedro Crisóstomo
Gravação de voz e sonoplastia Joel Martins para Big Bit

Mais info: Cultura Vibra

danca e ri-albina petrolati - foto divulgacao biblioteca municipal de lagos
© divulgação / Biblioteca Municipal de Lagos

Oficina

Dança e Ri, com Albina Petrolati

9 de Março | 11h00 | Biblioteca Municipal de Lagos

Entrada livre

Para crianças entre os 5 e os 10 anos

«Dança e artes plásticas: Luz, cor, textura, composição. A dança que se encontra na expressão plástica. Pintar e dançar casam-se assim numa só experiência.» Biblioteca Municipal de Lagos

Mais info: Biblioteca Municipal de Lagos

danovaartedefazerruinas.ruisoares
© Rui Soares

Espectáculo

Da Nova Arte de Fazer Ruínas, de Beatriz Cantinho

9 de Março | 21h30 |Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha

Entrada livre

Para crianças entre os 5 e os 10 anos

«Da Nova Arte de Fazer Ruínas apropria-se de um conjunto de premissas de composição coreográfica e sonora associadas a uma ideia de arruinamento, onde o gesto coreográfico de diferentes níveis de evocação social e política compõem um ‘edifício’ em constante transformação.

A composição musical para electrónica e violoncelo, distribuída no espaço, opera a manipulação de um banco de gravações e sons de referências várias e atravessa o movimento coreográfico, desconstruindo e reconstruindo continuamente múltiplas possibilidades semânticas.

O espectáculo emerge no espaço arquitectónico, da interacção entre corpos, espaço e som, enquanto inscrições  de um tempo de memória e de ruína.» Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha

Direcção artística e coreografia Beatriz Cantinho
Composição musical e electrónica Diogo Alvim
Composição musical, espaço cénico, violoncelo e electrónica Ricardo Jacinto
Movimento Filipe Pereira, Jácome Filipe e Marta Cerqueira

Mais info: Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha

o baile das coisas importantes - foto pedro figueiredo
© Pedro Figueiredo

Espectáculo

O Baile das Coisas Importantes, de Afonso Cruz e Joana Providência

9 de Março | 21h30 | Salão Paroquial de Ronfe, Guimarães

Preço: 1€

14 de Março | 10h30 e 15h00 | Teatro Municipal de Bragança

Entrada livre, sujeita ao levantamento de bilhete

«Há coisas obviamente importantes que dançam e são protagonistas do baile da vida, lembramo-nos imediatamente da Natureza, dos seus elementos, das virtudes… mas chegarão também coisas insignificantes, outras inúteis, outras que não passam de detalhes. E como se não bastasse, chegarão ainda coisas indesejáveis, dificuldades e tristezas e dores. E serão todas estas coisas, coisas importantes.» Afonso Cruz

Texto Afonso Cruz
Encenação Joana Providência
Interpretação Catarina Gomes
Composição e interpretação de concertina Tiago Candal
Figurinos Cátia Barros
Cenografia e adereços Cristóvão Neto
Assistência de cenografia e adereços Filipe Mendes
Som Fábio Ferreira
Desenho de luz Tiago Silva

Mais info: excentriCidade

tangoonavisit.ireneschuller
© Irene Schuller

Documentário

Paixão pelo Tango, de Irene Schuller

9 de Março | 22h12 | RTP 2

Acesso livre

«O tango torna-nos felizes ou solitários? A resposta não é evidente, o certo é que se torna viciante. Os solteiros encontram pessoas que podem abraçar. Os casais reacendem a paixão. O tango é um espectáculo sobretudo quando os dançarinos, com um figurino requintado, são mestres na sua arte. 
Um documentário Irene Schuller que explora a tensão entre o artifício e o real neste mundo único do tango. […]

“Era uma vez uma dança que percorreu uma longa jornada. Os habitantes de uma terra distante ficaram muito felizes com a sua chegada, porque nunca tinham visto tal coisa na sua terra. Era como se aguardassem há muito tempo e, apesar de não entenderem bem a sua língua, fizeram dela parte nuclear das suas vidas. Isto passou-se em vários pontos do mundo, mas a nossa pequena história aconteceu perto das montanhas, onde cinco indivíduos se encontraram e lhe reservaram um lugar especial nos seus corações.”» RTP

Realização Irene Schuller, 2017

Mais info: RTP

esboços de tecnicas interiores..stephenpetegorsky
© Stephen Petegorsky

Exposição

Esboços de Téncias Interiores, curadoria de Romain Bigé e João Fiadeiro

9 de Março a 14 de Julho | Culturgest, Lisboa

Preço: 4€

Inserido no ciclo Steve Paxton

«O trabalho coreográfico de Steve Paxton é uma das referências fundamentais das práticas de movimento contemporâneas, atravessando toda a dança que se segue a Merce Cunningham. Continuamente na vanguarda dos movimentos pós-modernos norte-americanos, Paxton desde sempre deixou o caminho aberto à contaminação entre a arte e o quotidiano.

Esboços de Técnicas Interiores é o primeiro olhar retrospectivo sobre o trabalho e o legado de Steve Paxton, com curadoria de Romain Bigé e João Fiadeiro (ambos estudaram com o coreógrafo americano, tendo desenvolvido pesquisas metodológicas e académicas sobre e a partir do seu pensamento). Concebida em torno de uma das questões mais obsessivas do artista – o que é que o meu corpo faz quando não tenho consciência dele? – a exposição desafia os visitantes a vaguearem pelo estúdio de dança, não apenas para ver dança mas principalmente para observar o movimento com os olhos de um bailarino. […]» Culturgest

Curadoria Romain Bigé e João Fiadeiro

Nota: no dia 9, às 17h00, há uma visita guiada pelos curadores da exposição, Romain Bigé e João Fiadeiro

Mais info: Culturgest

stevepaxton.genepittman.walkerartcenter
© Gene Pittman / Walker Art Center

Conferência

Steve Paxton

10 de Março | 18h30 | Culturgest, Lisboa

Entrada livre, sujeita ao levantamento de bilhete

Inserido no ciclo Steve Paxton

«Steve Paxton iniciou a sua carreira com estudos em diversas áreas, desde as técnicas de ballet e dança moderna, passando pelas artes marciais orientais, que acabaram por contaminar o seu trabalho ao longo dos anos. Evocando a experiência do jogo, influenciado pela prática da ginástica e do Aikido – arte marcial japonesa que torna ineficaz a violência de qualquer ataque – criou, no início dos anos 1970, a técnica Contacto Improvisação que continua a alimentar, um pouco por todo o mundo, inúmeras investigações artísticas e somáticas. O seu profundo conhecimento do corpo, do seu sentir, da sua fisiologia e das relações deste com o espaço e os outros, expresso também na sua mais recente técnica Material para a Coluna, conduz-nos a uma outra dimensão: a da ética do viver em conjunto.

Tendo passado muitos anos em digressão, improvisando em solo, dueto ou em grupo, Paxton vive desde a década de 1970 numa comunidade artística no norte de Vermont. É destes movimentos que surgirá esta conferência. Uma oportunidade rara para ouvir um dos mais influentes bailarinos e coreógrafos contemporâneos. […]» Culturgest

Mais info: Culturgest

flexibilidade para dancar - luis xarez - foto divulgacao evc
© divulgação / Estúdios Victor Cordón

Conversa

Força para Dançar, por Luís Xarez

14 de Março | 18h30 | Estúdios Victor Cordón, Lisboa

Preço: 3€

Inserido no ciclo Conversas do Corpo – Conversas sobre o treino em dança – do programa BAR ABERTO

Para estudantes, professores e intérpretes de dança

«Para melhorar a força terei de hipertrofiar?» Luís Xarez

Mais info: Companhia Nacional de Bailado

rockmontion.divulgacao.companhiadedanca marina popova
© divulgação / Companhia de Dança Marina Popova

Rock Motion, pela Companhia de Dança Marina Popova

Oficina

15 de Março | 14h30 

Entrada livre

Espectáculo

15 e 16 de Março | 21h30 | Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, Moita

Preço: 3,54€

«Alusivo à cultura Pop/Rock do final do século passado, este espectáculo multidisciplinar apresenta uma simbiose perfeita entre a dança, a música e os elementos visuais. Apesar da simplicidade e forma sintética que associamos à mensagem veiculada pela música rock, cada quadro coreográfico aborda temas muito diferentes que vão desde a religião, à sociedade, passando pela tecnologia e pelo consumo.
Neste espectáculo de dança são os próprios bailarinos que tocam instrumentos ao vivo, o que faz com que exista uma ligação harmoniosa, objectiva e intencional entre a música e o movimento. Se adicionarmos os elementos visuais como é o caso da luz, dos conteúdos multimédia e dos figurinos, ficamos com a receita perfeita para cerca de uma hora de puro entretenimento.
Em ROCK MOTION coreografam-se músicas de bandas icónicas como os U2, KISS, AC/DC, Judas Priest, Lenny Kravitz, Whitesnake entre outros, numa variedade de paisagens sonoras muito distintas.» Fórum Cultural José Manuel Figueiredo

Coreografia Marina Popova e Marco Rodrigues
Direcção, desenho de luz, desenvolvimento de conteúdos multimédia e programação qlab live show control Marco Rodrigues
Interpretação Beatriz Quendera, Catarina Frade, Catarina Selivanova, Carolina Russo, Dulce Soares, Isabel Oliveira, João Évora, Madalena Madeira, Margarida Pacheco, Patrícia Frade, Marco Rodrigues e Marina Popova
Figurinos, apoio técnico e registo de imagem Carla Frade e Sónia Martins
Músicos Marco Rodrigues, Patrícia Frade, Carolina Russo, Beatriz Quendera, Catarina Frade e Marina Popova

Mais info: Fórum Cultural José Manuel Figueiredo

solosdeveramantero.jorgegoncalves
© Jorge Gonçalves

Espectáculo

Solos de Vera Mantero, de Vera Mantero

15 de Março | 21h30 | Teatro-Cine de Torres Vedras

Preço: 5€

«Para mim a dança não é um dado adquirido. Acredito que quanto menos o adquirir mais próxima estarei dela. Uso a dança e o trabalho performativo para perceber aquilo que necessito de perceber. Deixei de ver sentido num performer especializado numa disciplina (um bailarino ou um actor ou um cantor ou um músico) e passei a ver sentido num performer especializado no todo. A vida é um fenómeno terrivelmente complicado e rico e vejo o trabalho que faço como uma luta contínua contra o empobrecimento do espírito, o meu e o dos outros, luta que considero essencial agora e sempre.» Vera Mantero

uma misteriosa Coisa, disse o e.e.cummings
Caracterização Alda Salavisa (desenho original de Carlota Lagido)
Adereços Teresa Montalvão
Desenho de luz João Paulo Xavier

Olympia
Desenho original de luz João Paulo Xavier
Adaptação de luz Bruno Gaspar
Texto Jean Dubuffet

O que podemos dizer do Pierre
Banda sonora Gilles Deleuze
Montagem da banda sonora Vera Mantero, com Vítor Rua e António Duarte
Desenho de luz Bruno Gaspar

Mais info: Teatro-Cine de Torres Vedras

orizuro - foto divulgacao 2
© divulgação / Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Espectáculo

Orizuro, pela Companhia de Música Teatral

16 e 17 de Março | 11h00 e 17h00 | Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Preço: 4€

«Orizuro é uma viagem mundo dos pássaros. De todos os pássaros, os reais e os imaginários, os das histórias, da poesia, da música, os que nos convidam a voar, os que cantam connosco. Três intérpretes levam bebés e crianças (e com elas os adultos) aos ninhos onde a música nasce com o movimento e traçam caminhos inesperados povoados de sons e imagens.

O orizuru na cultura tradicional japonesa é um símbolo de felicidade e na segunda metade do século vinte, após a bomba de Hiroshima, tornou-se num ícone do desejo de paz. A ideia de “afinação” tem estado presente em grande parte dos trabalhos da CMT, que tem usado a expressão “tuning people, birds and flowers” para se referir à procura, através da experiência artística, da afinação das pessoas com o que as rodeia. São esses os “pássaros” que Orizuro procurará revelar. Ou construir. Vivemos num tempo que precisa da nossa atenção urgente para a necessidade de preservarmos o mundo em que vivemos. Há muitas formas de o fazer.

Ensinar a olhar e escutar de forma poética é certamente uma das que faz falta e deve ser promovida desde que nascemos.» Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Concepção Companhia de Música Teatral
Direcção artística e música Paulo Maria Rodrigues
Luz e co-criação coreográfica Pedro Ramos
Visuais e interactividade Rodrigo Carvalho
Cenário Miguel Ferraz
Figurinos Rita Roberto
Interpretação Inês Silva, Rita Roberto e António Dente

Mais info: Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

graficodogesto.aldarabizaaro.estellevalente
© Estelle Valente

Espectáculo

Gráfico do Gesto, de Aldara Bizarro

16 de Março | 16h00 | Sociedade Carlista, Montemor-o-Novo

Entrada livre, sujeita a reserva

«Gráfico do gesto é uma peça de dança que procura investigar para medir o gesto. Quer saber onde o gesto começa e onde acaba. Qual o ponto mais alto na tensão do gesto. O gesto tem clímax? Quais a razões porque determinados gestos são acompanhados de som e outros não? Onde se situa o início do gesto? Na cabeça, ou no corpo? Existe alguma coisa que antecede o início do gesto?
O impulso é o início do gesto? 
As decisões influenciam o gesto. Ou as decisões são já por si gestos? […]
O facto de se ser rico ou pobre define o gesto? A condição social define a postura do corpo quando se estende a mão? Os olhos fazem parte do gesto? 
Quais os parâmetros que servem para medir um gesto? Os canhotos fazem os gestos todos à esquerda ou deixam alguns para fazer com a mão direita? 
Assinar uma petição é um gesto? Propagação, pode ser uma variável para medição do gesto? E a amplitude? Pode-se medir em metros? Pode-se medir a área exacta do gesto? A área que o gesto ocupa, precisamente? Pode-se pensar numa escala para medir o gesto? Quando se faz o mesmo gesto repetidamente faz-se sempre da mesma forma? […]
Estas são parte das perguntas com que iniciámos a investigação de danças obre o gesto, um assunto que todos já ouviram falar mas ninguém sabe o que e realmente é.» Aldara Bizarro

Concepção, direcção e coreografia Aldara Bizarro
Interpretação em co-criação Costanza Givone e Manuel Henriques
Selecção musical Madalena Matoso
Investigação para a execução do gráfico e dos figurinos Ana Sofia Costa,
Bruna Abreu, Catarina Guerreiro, Eduarda Ales Olivença, Joana Ló
de Almeida, Tiago Pessanha e dos professores Glória Oliveira, Ana
Gonçalves e Nuno Almeida (12º H – Escola Artística António Arroio)

Reservas: 913 699 891; 913 699 894

Mais info: O Espaço do Tempo

rua em braga - divulgacao.boca
© divulgação / BoCA

Espectáculo

Rua – Em Braga, de Volmir Cordeiro

16 de Março | 17h00 | Museu Dom Diogo de Sousa, Braga

Entrada livre

Inserido no BoCA – Biennal of Contemporary Arts

«O Museu do Louvre acolheu a primeira encarnação de Rua, em 2016, criação de Volmir Cordeiro, coreógrafo e bailarino brasileiro, numa nova exploração do potencial poético de um corpo em espaço museológico, em tensão com a poesia de Bertolt Brecht sobre a guerra (O ABC da guerra, de 1954), que na BoCA ganha novas personificações. O corpo é o mesmo, imenso, aparentemente desconexo, potente e frágil, eloquente na expressão da palavra e na relação que vai criando com a paisagem, urbana e humana, com que se vai cruzando, numa dança de permanente metamorfose entre estados associados à violência, à dor, à festa, à resistência ou à vulgaridade.

Em Rua, Volmir encarna os múltiplos corpos e rostos que a rua pode conter. O espaço, percorrido e atravessado pelo bailarino, redesenhado pelos seus movimentos, converte-se numa abstação aberta, enquanto que o intérprete condensa no seu corpo as mais diversas personagens da fauna urbana, as mais marginais. Resposta coreográfica à leitura dos poemas sobre a guerra de Bertolt Brecht, “Rua” implanta uma dança de pensamento e corpo, densificando o espaço, habitando mil fantasmas. A dança, acompanhada pelo tambor de Washington Timbó, explora a tensão e alternância entre a guerra, os corpos devoradores e devorados, e coreografias festivas. […]» Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Coreografia e interpretação Volmir Cordeiro
Percussão Washington Timbó
Figurino Vinca Alonso e Volmir Cordeiro

Mais info: BoCA

jetaime.joaocostaespinho.joanacosta
© Joana Costa

Espectáculo

Je t’aime, de João Costa Espinho

16 de Março | 21h00 | Teatro Campo Alegre, Porto

Preço: 5€

«Je t’aime é um trabalho que coloca o corpo empático e a relação amorosa em evidência. 

A dança como troca de energia entre dois corpos. Um ritual como ponto final de uma relação. Um momento de catarse a dois. Como construir e coexistir sem perder a sua individualidade natural e essencial?» Teatro Municipal do Porto

Direcção artística, cenografia e figurinos João Costa Espinho 
Interpretação e co-criação João Costa Espinho e Joana Castro 
Desenho de luz Vera Martins 
Olhar exterior Peter J – Baalman 
Documentação fotográfica Susana Neves 
Documentação vídeo Eva Ângelo 

Mais info: Teatro Municipal do Porto

aviagem-filipafrancisco-fotojosealfredo
© José Alfredo

Espectáculo

A Viagem, de Filipa Francisco

16 de Março | 21h30 | Complexo Desportivo de Febres, Cantanhede

Preço: 5€

«A Viagem problematiza o modo como as manifestações populares aderem e procuram a modernidade, originando novos significados, permitindo nova apropriação e novo entendimento do seu papel nos dias hoje.
Na primavera de 2009, a convite do Festival de Dança Contemporânea de Ramallah, Filipa Francisco conhece a Companhia de Dança Tradicional e Contemporânea El-Funoun. Desta experiência nasce a consciência de que a dança tradicional não tem como fatalidade permanecer à margem da modernidade (nem tão pouco a modernização passa pela anulação das tradições). Sendo uma prática actual, obedece a regras e conjuga outras práticas e processos sociais.» Materiais Diversos

Concepção e direcção artística Filipa Francisco
Direcção musical e música original António Pedro (Ricardo Freitas – substituição)
Interpretação Antonia Buresi, David Marques (Susana Gaspar e Bruno Alexandre – substituição) e elementos do Grupo Típico de Ançã
Músicos António Pedro (Ricardo Freitas – substituição) e elementos do Grupo Típico de Ançã
Figurinos Ainhoa Vidal
Desenho de luz e direcção técnica Mafalda Oliveira
Desenho de som Ricardo Figueiredo

Mais info: Coimbra Região de Cultura

tarara-tchim - dançarte - foto divulgação.DançArte
© divulgação / DançArte

Espectáculo

Tarará-Tchim!! – Dança e Música para Bebés, por DançArte

17 de Março | 16h00 | Cine-Teatro Municipal João Mota, Sesimbra

Preço: 1,50€ e 2,50€

Para bebés dos 6 aos 36 meses

«Sobe o pano e… Tarará-tchim! Surgem as surpresas! Minhas senhoras, meus senhores e excelentíssimos bebés, bem-vindos!… Tarará-tchim! é um mundo de magia, ilusão e fantasia… Entre sorrisos e gargalhadas, um cortejo de ideias divertidas. Entre equilíbrios e desequilíbrios, jogos arriscados! Entre saltos e brincadeiras, amigos coloridos que dançam e tocam. Tarará-tchim! Repleto de surpresas e em constante transformação, este momento convida-vos… a ver, ouvir e sentir. Convida-vos a contemplar, dançar, tocar instrumentos e fazer amigos.

Apreciem, desfrutem e divirtam-se! Tarará-tchim é um espectáculo que oferece dança, música e outras artes, num contexto pensado ao pormenor, onde a luz, o som, o cenário e a imagem se interligam e criam uma oferta única. Os intérpretes partilham o espaço com os bebés e os amigos que os acompanham, apelando à partilha e interacção.» Câmara Municipal de Sesimbra

Interpretação DançArte e Ária da Música

Mais info: Cine-Teatro Municipal João Mota

pinabausch.fernandolopes.divulgacaotmp
© divulgação / Teatro Municipal do Porto

Documentário

Pina Bausch – Lissabon Wuppertal Lisboa, de Fernando Lopes

19 de Março | 19h00 | Teatro Rivoli, Porto

Preço: 5€

Para bebés dos 6 aos 36 meses

«Lisboa, cidade aberta, luminosa e quente, recebe Pina Bausch e a sua Companhia, o Tanztheater Wuppertal. Vêm para uma residência de três semanas, respondendo ao convite do Festival dos 100 Dias: a criação de Ein Neues Stück von Pina Bausch. Chegam de olhos e ouvidos bem abertos, de veias bem temperadas, atentíssimos aos sinais, às cintilações, aos sons, aos perfumes e às emoções que a cidade lhes for sugerindo. Depois, com as evocações especiais das suas próprias vidas, agora entretecidas pela aragem de Lisboa, acontecerá a tal hora muito rara em que tudo isto e tudo o resto,  pela batuta misteriosa do génio de Pina Bausch, ganhará um corpo próprio, uma nova alma. Essa terá por nome: “uma nova peça de Pina Bausch”. Ou outra coisa ainda. E essa é que será linda: Masurca Fogo.» Fernando Lopes

Realização Fernando Lopes, 1998

Nota: A apresentação é seguida de uma conversa com Miguel Pereira.

Mais info: Teatro Municipal do Porto

en.divulgacao.notaclave
© divulgação / Nota Clave

Espectáculo

En, de Daymé del Toro e Patricia Ortega, pela Compañia Nazional de Danza Contemporánea (República Dominicana)

20 de Março | 21h30 | Pax Júlia Teatro Municipal, Beja

Preço: 3€

Inserido no Festival Internacional de Teatro do Alentejo

«EN momentos de vulnerabilidade, tensão, poder, cansaço.
EN busca do justo e do injusto.
No insaciável. Nos obstáculos e ilhas que criamos para ultrapassar ou para nadar até à costa. Nas portas inventadas. No espaço, para entrar, sair, ser e voltar a ser. Nas relações desgastadas pelo abuso de poder. Nas células destruídas, sem espaço para o amor.
EN el cuerpo donde no quiere estar.» Lendias d’Encantar

Coreografia Daymé del Toro e Patricia Ortega com a colaboração dos intérpretes
Dramaturgia, figurinos e cenografia Daymé del Toro e Patricia Ortega
Interpretação Daymé del Toro, Patricia Ortega, Mildred Rubirosa, Envelyn Tejeda, Erick Roque, Hendel Herrera, Jonás Padilla e Jeremy Antonio Caro
Luz Ruben Lara
Música Nicola Cruz, Apparat, Alejandro Cardona, Andrés Saborío e Amon Tobin
Direcção geral e artística Marianela Boán

Mais info: Câmara Municipal de Beja

ser no espaço do meu corpo . madalena matoso
© Madalena Matoso

Oficina

Ser no Espaço do Meu Corpo, por Ana Sofia Fonseca e Yola Pinto

21, 22 e 25 de Março | 10h30 | Centro Cultural de Belém, Lisboa

Preço: 3,50€

Inserido no ciclo A cabeça entre as mãos – sobre os mistérios do cérebro

«O que aprendemos primeiro é pelo corpo: boca, mãos, pernas. Através do corpo relacionamo-nos com os outros, manifestamos decisões e intenções. Será que o mundo também está representado no nosso corpo, nos nossos músculos, no nosso sistema motor, nas nossas rações? Será que os objectos existem à medida do que podemos fazer com eles usando as mãos, os pés, as pernas, a ponta do nariz? Será que os músculos também mandam no cérebro? Esta oficina junta uma neurocientista e uma bailarina para um diálogo aberto, corpo a corpo.» Centro Cultural de Belém

Mais info: Centro Cultural de Belém

paulacaspao.frans pans. stevepaxton
© Frans Pans

Conversa

Está a Dançar Agora? (sobre movimentos de pedestres), com Paula Caspão

21 de Março | 18h30 | Culturgest, Lisboa

Entrada livre, sujeita ao levantamento de bilhete

Inserido no programa Quatro Leituras a partir de Paxton, do ciclo Steve Paxton 

«“Como a famosa árvore da qual é incerto se será ouvida se cair numa floresta sem pessoas, há uma maneira de ver as coisas que as tornam performance.”

Nos anos 1960, Steve Paxton criou novas danças experimentais feitas apenas com movimentos de pedestres. As suas danças perguntavam: onde começa a dança? Os simples gestos de caminhar, ficar em pé, sentar-se, podem ser considerados dança? E quais são os procedimentos para oferecer ao público a possibilidade de perceber que “há uma maneira de ver as coisas que as tornam performance”?

No contexto do ciclo dedicado a Steve Paxton e durante a exposição Esboço de Técnicas Interiores, realizam-se quatro conversas públicas em torno da obra do coreografo norte-americano. Cada conversa desenrola-se sobre uma pergunta que desafia o público a mergulhar no trabalho desenvolvido por Paxton nos últimos 60 anos.» Culturgest

Mais info: Culturgest

chubbybunny.fotodivulgacaotheatrocirco
© divulgação / Theatro Circo

Espectáculo

Chubby Bunny, de Catarina Feijão e Luara Learth Moreira  

22 de Março | 21h30 | Theatro Circo, Braga

27 e 28 de Março | 21h20 | Rua das Gaivotas, 6, Lisboa

Preço: 5€

«Uma peça sobre resistir a coisas que cansam. Dissonância, ironia, persistência e sujeira transformam- se em tarefas que condicionam os corpos a habitar o tempo e o espaço. Insistem na fricção e na invenção de um possível que se retro-alimenta da partilha e do cansaço. Assim, se propõe um contínuo que habita a ferida da discordância e da dissonância, que re-existe na emergência disruptiva do choque, do golpe e das acções insistentes. Chubby Bunny ocupa, resiste e insiste em materiais para dançar em tempos de crise.» Theatro Circo

Direcção, coreografia, interpretação, texto e figurinos Catarina Feijão e Luara Learth Moreira  
Desenho de luz Eduardo Abdala  
Coaching Miguel Bonneville, Miguel Pereira, Sofia Dias e Vitor Roriz e Mariana Tengner Barros

Mais info: Theatro Circo; Rua das Gaivotas 6

otus divulgacaoteatrovilareal
© divulgação / Teatro de Vila Real

Espectáculo

Otus, de Hugo Oliveira e Sage Bachtler Cushman, pela Companhia O&B 

22 de Março | 21h30 | Teatro de Vila Real

Preço: 5€

«Otus enraíza-se na natureza humana. Este espectáculo é uma perspectiva única, um vislumbre sobre as vidas, motivações, relacionamentos e hábitos de dois seres que vivem num mundo abstracto.

Utilizando técnicas de circo, teatro físico, movimento, clown e cenografia, Otus explora a tensão, o espaço entre personagens, objectos e o mundo de madeira em que residem. […]» Teatro de Vila Real

Conceito, direcção e interpretação Hugo Oliveira e Sage Bachtler Cushman
Dramaturgia H. Oliveira, S. B. Cushman e Luciano Amarelo
Cenografia H. Oliveira, S. B. Cushman e Bruno Neto
Desenho de luz H. Oliveira, S. B. Cushman e Sérgio Vilela
Figurinos Carolina Sousa e Thomas Benjamin

Mais info: Teatro de Vila Real

formacaochubbybunny.fotodivulgacaotheatrocirco
© divulgação / Theatro Circo

Oficina

Workshop de Dança – Chubby Bunny, por Palcos Instáveis

23 de Março | 15h00 | Backstage Escola de Dança, Braga

Preço: 5€, sujeito a inscrição

«Este workshop propõe uma pesquisa em dueto e em conjunto do(a): – Corpo individual no corpo do outro; – Potencialidade do som que vem do corpo -como pode surgir através da relação entre os corpos e para onde se leva?;- Corpo que persiste em persistir e que não quer comunicar nem representar nada mais que isso;- Tentativa de repetição perfeita e da repetição dessa repetição perfeita;- Dissonância no bater dos corpos;- Corpo que não se gasta, corpo que não morre, corpo que não pára, corpo que não.» Theatro Circo

Inscrições: sara.barbosa@theatrocirco.com

Mais info: Theatro Circo

outrosmodosdever.stephenpetegorsky
© Stephen Petegorsky

Performance

Outros Modos de Ver #2 – Steve Paxton, de Tiago Cadete

23 de Março | 16h00 | Culturgest, Lisboa

Preço: 4€

Inserido no ciclo Steve Paxton

«Como podemos olhar para uma exposição? Existe apenas uma única forma? Outros modos de ver é uma performance que procura criar uma nova relação entre o público e os objectos de arte de uma exposição.

Através da activação do corpo no espaço expositivo e com a ajuda de um manual, os visitantes são desafiados a olhar de forma diferente para a exposição do artista Steve Paxton, Esboço de técnicas interiores.

Outros modos de ver homenageia o crítico de arte inglês John Berger que no seu livro Modos de ver (1972) ensina a observar imagens no seu contexto, revelando a importância dos vários elementos que a constituem.» Culturgest

Mais info: Culturgest

aquecimentoparalelomafaldadeville.ursulakauffman
© Ursula Kauffman

Conversa

Aquecimento Paralelo com Mafalda Deville

23 de Março | 17h00 | Teatro Campo Alegre, Porto

Preço: 2 € ou entrada livre, mediante apresentação do bilhete para o espectáculo Moving with Pina

«Neste Aquecimento Paralelo, a coreógrafa Mafalda Deville é convidada a partilhar processos criativos, partindo do trabalho da criadora e bailarina Cristiana Morganti.  

Mafalda Deville tem uma vasta experiência internacional e as suas peças aliam uma forte componente teatral a uma linguagem física virtuosa e feminina.» Teatro Municipal do Porto

Mais info: Teatro Municipal do Porto

material men redux.crish nash
© Chris Nash

Espectáculo

Material Men redux, de Shobana Jeyasingh, pela Shobana Jeyasingh Dance

23 de Março | 21h30 | Cine-Teatro Louletano, Loulé

Preço: 5€

Inserido nos encontros do DeVIR

«Material Men redux, de Shobana Jeyasingh Dance, aclamado pela crítica, é um espectáculo que explora, de forma dinâmica e comovente, a violência da perda e da criação de novas formas de pertença e integração. Um dueto virtuoso para dois bailarinos, artistas da diáspora indiana, que escolheram dançar de forma muito diferente. Os contrastes de estilo, entre a dança clássica indiana e o hip-hop, são os pontos de partida para uma exploração dinâmica do ritmo, do lugar e da história partilhada. Este trabalho apresenta uma banda sonora original composta pela australiana Elena Kats-Chernin e sonoplastia de Leafcutter John.» DeVIR

Conceito, coreografia e direcção Shobana Jeyasingh
Composição Elena Kats-Chernin
Cenografia, figurinos e vídeo Simon Daw
Desenho de luz Floriaan Ganzevoort
Interpretação (música) Leafcutter John & The Smith Quartet
Interpretação e co-criação (coreografia) Shailesh Bahoran e Sooraj Subramaniam
Voz Benedict Lloyd-Hughes, Shailesh Bahoran e Sooraj Subramaniam

Mais info: DeVIR

catarina camara.victorroriz
© Victor Roriz

Entrevista

Pessoas que Dançam, de Ana Sousa Dias, com Catarina Câmara

28 de Março | 18h30 | Estúdios Victor Cordón, Lisboa

Entrada livre

Inserido no programa BAR ABERTO

«O bar dos EVC, ponto de encontro e convívio, vai acolher nesta temporada inúmeras ações que promovem o diálogo e o conhecimento. Destaca-se Pessoas que dançam, um ciclo de entrevistas conduzidas por Ana Sousa Dias a bailarinos de referência da dança nacional e internacional, que será emitido na íntegra pela TSF, no programa Começo de Conversa, às terças-feiras, pelas 23h.» Estúdios Victor Cordón

Mais info: Companhia Nacional de Bailado

pacapforumdanca
© divulgação / Forum Dança

Entrevista

PACAP, pelo Forum Dança

28 de Março | 18h30 | Teatro Viriato, Viseu

Entrada livre

«Hibridismo, Dramaturgias do Espaço e Arte Fantasma foi o tema apresentado aos 15 participantes da edição 1 do PACAP. Acompanhada por colaboradores de diversas áreas das artes e da filosofia, na qualidade de curadora, Patrícia  Portela desenhou um período de 6 meses de laboratório de pesquisa e criação acompanhada para este grupo de criadores, que agora partilham com o público algumas das suas obras.

O PACAP é o mais recente programa de formação/criação do Forum Dança, dedicado a profissionais e estudantes de áreas artísticas que pretendem investir num período de experimentação avançada conciliando-o com uma investigação teórica e o exercício de práticas de corpo e movimento. Cada edição do programa tem uma duração entre 4 e 6 meses e decorre com a Curadoria de um artista do campo performativo. Patrícia Portela foi a curadora desta primeira edição.» Teatro Viriato

17h00
Querida Tia, de Margarida Bak Gordon
 
17h15
walkie_talkie, de Bartosz Ostrowski
 
17h50
Bloom, de Clarissa Rêgo
 
18h30
Hidebehind, de Josefa Pereira
 
19h05
PONTE INSULAR, de Gabriela D’Angelis
 
21h00 
E.le.men.to, de Bruna Carvalho
 
21h35
Estocolmo ou logomania, de Daniel Lühmann
 
22h15 
MOSQUITO, de Anthi Kougia e Mafalda Miranda Jacinto
 
Criação e interpretação Anthi Kougia, Bartosz Ostrowski, Bruna Carvalho, Clarissa Rêgo, Daniel Lühmann, Gabriela D’Angelis, Josefa Pereira, Margarida Bak Gordon e Mafalda Miranda Jacinto 
Direcção Forum Dança Dora Carvalho
Curadoria Patrícia Portela
 

Nota: As apresentações serão seguidas de uma conversa com o(s) artista(s) e respectivo coordenador de projecto

Mais info: Teatro Viriato

mi.mar-imagem-utopiadesigners3

Espectáculo

Mi~Mar, de António Machado, Ricardo Mondim e Sofia Belchior

30 de Março | 16h00 e 17h00 | Pax Júlia Teatro Municipal, Beja

Preço: 2€ e 3€

Para bebés dos 0 aos 36 meses

«Pé ante pé, é no MAR que mergulhamos em busca de mimos, de surpresas e de seres luminosos.
Ao som de doces melodias, mimamos os Dragões marinhos, abraçamos o Polvo, conversamos com os Peixes, brincamos com a Baleia e dançamos com o Caranguejo. 
Orientados pela luz do farol, emergimos felizes e divertidos depois de muitas aventuras aquáticas. 
Repleto de surpresas e em constante transformação, Mi~Mar convida-nos… a ver, ouvir, sentir e fazer novos amigos.» Passos e Compassos

Concepção artística e espaço cénico António Machado, Ricardo Mondim e Sofia Belchior
Coreografia Sofia Belchior – colaboração dos intérpretes
Composição musical António Machado
Adereços e bonecos Ricardo Mondim e Sofia Belchior
Desenho de luz António Machado e Sofia Belchior
Figurinos Sofia Belchior e Diana Pais
Interpretação Ricardo Mondim e Sofia Luz (Dançarte) e António Machado (Ária da Música)

Mais info: Pax Júlia Teatro Municipal

alandwherenodragonshide fotopalle.schultz
© Palle Schultz

Lançamento de livro

Another Hole, de Sara Gebran

30 de Março | 16h00 | Rua das Gaivotas 6, Lisboa

Entrada livre

Espectáculo

A Land Where No Dragons Hide, de Sara Gebran

30 de Março | 21h30 | Rua das Gaivotas 6, Lisboa

Preço: 5€

«O LIVRO, uma assemblagem coreográfica e uma plataforma para performance. A PERFORMANCE, página como plataforma, uma dimensão paralela. O LIVRO aborda a relação entre o poder e a pornografia num momento de decadência cultural e política. Artistas e investigadores são convidados para o LANÇAMENTO DO LIVRO e colocarão questões em relação à “instituição” do eu. A pequena e íntima PERFORMANCE acontece aos pés de uma cama. Uma navegação quântica que convida à sensualidade, aos mundos ocultos que se encontram abaixo da consciência, acessíveis apenas se se escutarem de perto. Uma nova fissura para materializar a vibração, para a ficção, para cumprir sonho.» Rua das Gaivotas 6

Oradores no lançamento de Another Hole Sónia Baptista, João Fiadeiro, Susana Mendes Silva, Ana Pais, João Estevens, Margarida Vale de Gato e Vânia Rovisco

Coreografia, cenografia e som Sara Gebran
Em colaboração com
Rebecka Stillman e Rodrigo Sobarzo
Colaboração transversal Olivia Riviere, Amalie Bergstein e Laura Rathschau

Mais info: Rua das Gaivotas 6

ibm1404.ilanginzburg
© Ilan Ginzburg

Espectáculo

IBM 1401 – A User’s Manual (In Memoriam)de Erna Ómarsdóttir e Jóhann Jóhannsson

30 de Março | 21h30 | Teatro das Figuras, Faro

Preço: 5€

Inserido nos encontros do DeVIR

«Um solo icónico da dança contemporânea islandesa por uma das mais destacadas bailarinas da cena europeia, Erna Ómarsdóttir, com música do compositor Jóhann Jóhannsson, autor da banda sonora do filme A teoria do tudo. Inspirado na tecno-nostalgia, na inteligência humana e artificial, e na sexualidade, explora movimentos mecânicos e orgânicos, procurando encontrar a ligação entre eles. Criado em 2002, é agora reposto em homenagem a Jóhann Jóhannsson, falecido em março de 2018.» DeVIR

Coreografia e interpretação Erna Ómarsdóttir
Música
Jóhann Jóhannsson
Arranjos
Jóhann Jóhannsson and Arnar Bjarnason
Interpretação (música)
Ólafur Björn Ólafsson aka ÓBÓ / Úlfur Eldjárn
Cordas interpretadas pela Orquestra Filarmónica de Prague, conduzida por Mario Klemens
Luz
Sylvain Rausa

Mais info: DeVIR

margem-victorhugopontes-fotojosecaldeira
© José Caldeira

Espectáculo

Margem, de Victor Hugo Pontes

30 de Março | 21h30 | Cine-Teatro de Estarreja

Preço: 5€

«Margem tem como inspiração o romance de 1937 de Jorge Amado, Capitães de Areia, que retrata um grupo de crianças e adolescentes abandonados que vivem nas ruas de São Salvador da Baía, roubando para comer, e dormindo num trapiche – um armazém onde, como uma espécie de família, se protegem uns aos outros e sobrevivem a um dia de cada vez. 80 anos depois da publicação do livro, quisemos questionar quem são os novos capitães de areia, inspirando-nos na realidade social destas crianças, e conscientes de que nem sempre há finais felizes.» Nome Próprio

Direcção Victor Hugo Pontes
Texto Joana Craveiro
Cenografia F. Ribeiro
Música Marco Castro e Igor Domingues (Throes + The Shine)
Direcção técnica e desenho de luz Wilma Moutinho
Interpretação Alexandre Tavares, André Cabral, David S. Costa, Hugo Fidalgo, João Nunes Monteiro, José Santos, Magnum Soares, Marco Olival, Marco Tavares, Nara Gonçalves, Rui Pedro Silva e Vicente Campos

Mais info: Cine-Teatro de Estarreja

walking with kylian. never stop searching - paulo ribeiro - foto josé alfredo
© José Alfredo

Espectáculo

30 de Março| 21h30 | Teatro Aveirense, Aveiro

Walking with Kylián. Never Stop Searching, de Paulo Ribeiro

Preço: 5€

«Um passeio com Jiří Kylián. É assim que Paulo Ribeiro apresenta a sua nova criação de homenagem a um coreógrafo que respira o presente e exala a intemporalidade, alguém que carrega uma mão divina. Um coreógrafo que é – para Paulo Ribeiro – uma referência maior, com quem o coreógrafo português quer comunicar, partilhar, passear intensamente.

Em Walking with Kylián. Never Stop Searching, Paulo Ribeiro aproxima-se de Jiří Kylián, do que está por trás das suas obras, para refletir sobre a diversidade das suas linguagens coreográficas, especialmente, sobre a diferença entre elas; mas também sobre a eficácia da linguagem e do pensamento no ato da criação. Uma coreografia para cinco intérpretes e a mão de Deus…» Companhia Paulo Ribeiro

Coreografia Paulo Ribeiro
Assistência ao coreógrafo Ana Jezabel
Interpretação Ana Jezabel, André Cabral, Miguel Oliveira, Miguel Santos e Teresa Alves da Silva
Desenho de luz Nuno Meira
Música Jesús Rueda; David del Puerto; Robert Wyatt; Benjamin de La Fuente; James MacMillan, Scottish Chamber Orchestra e Joseph Swensen; Pablo Casals e Riccardo Nova

Mais info: Teatro Aveirense

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close