Hakanaï: entre mim e o sonho, o quê?

Em japonês, “Hakanaï” define o efémero, o fugaz e evanescente, algo que está entre o sonho e aquilo que é concreto. Hakanaï, de Claire Bardainne e Adrien Mondot transporta-nos para esse limbo entre o tudo e o nada.

© Romain Etienne

O Pequeno Auditório do Centro Cultural de Belém (CCB) é encolhido por uma escuridão densa; estamos envolvidos numa atmosfera onírica e, no centro, encontramos um cubo, rodeado por cadeiras onde os espectadores se sentam. Surge então Akiko Kajihara, que começa por andar à volta e logo interage com projecções digitais, entre números e letras, grelhas e listas. Por momentos, estamos todos sozinhos naquela sala, imergidos numa experiência sensorial que nos faz acreditar que as projecções são realidade ou que a bailarina é digital.

Em Hakanaï, «a experiência humana está no centro das questões tecnológicas» (na folha de sala) – e a inovação tecnológica está no centro de um debate cada vez mais alargado sobre as múltiplas possibilidades de se trabalhar o corpo performático e a sua plasticidade. Veja-se outros exemplos por esse mundo fora, desde o britânico Michael Clark (com, por exemplo, to a simple, rock n’roll… song), o francês Philippe Decouflé (veja-se, por exemplo, Octopus), a companhia portuguesa Vortice Dance Company (em, por exemplo, Home 2.0), a companhia australiana Chunky Move, a bailarina japonesa Yoko Ando, entre tantos outros que certamente me escaparão.

© Romain Etienne

A Companhia Adrien M. & Claire B., que nasceu em 2004, cria instalações e performances que exploram a relação realidade/virtualidade, sendo o ser humano e o seu corpo o foco constante da sua investigação.

Claire Bardainne é uma artista visual, designer gráfica e cenógrafa. Já Adrien Mondot é um artista multidisciplinar, da área de computação, e malabarista. Juntos, criam nesta peça uma experiência visual que ecoa de forma crescente desde aquele ponto central até ao resto da sala. Com um sensor sobre o cubo, que segue os seus movimentos, fazendo com que as projecções respondam aos mesmos, Kajihara mostra-nos as infinitas possibilidades de um corpo que comunica com o mundo. Se ela sobe, as riscas sobem, se ela desliza, também as projecções o fazem. Até que guarda na mão todo aquele cubo em movimento e volta a soltá-lo em projecções ora frenéticas ora suspensas.

© Romain Etienne

Hakanaï explora a natureza fugaz dos sonhos e a efemeridade da vida real. Se por um lado nos transporta para uma atmosfera inebriante (provocada pelas projecções mas também pela interpretação sonora de Clément Aubry), por outro lado não nos sacia a vontade de ver mais, não fosse o próprio mundo uma complexidade de realidades sonhadas ou de sonhos tornados realidade. Mas a efemeridade não se fica apenas pelo conceito por detrás do espectáculo.

Hakanaï

Espetáculo de dança e artes visuais + tecnologia interativa/performance bailada

Concepção, direcção artística, cenografia e encenação Claire Bardainne e Adrien Mondot 
Design sistemas informáticos Adrien Mondot 
Dança  Akiko Kajihara 
Interpretação digital Christophe Sartori 
Design espaço sonoro Christophe Sartori, Loïs Drouglazet 
Interpretação sonora Clément Aubry 
Design cenográfico Martin GautronVincent Perreux 
Dispositivos informáticos Loïs Drouglazet 
Desenho de luz Jérémy Chartier 
Apoio artístico exterior Charlotte Farcet 
Guarda-roupa Johanna Elalouf 
Direcção técnica Alexis Bergeron 
Administração Marek Vuiton 
Produção e divulgação Joanna Rieussec 
Produção executiva Margaux FritschDelphine Teypaz 
Distribuição em Espanha e Portugal Ana Sala (IKEBANAH Artes Escénicas) 

Produção Adrien M & Claire B
Co-produtores Les Subsistances, Lyon / Centre Pompidou – Metz Accompagnement à la production et résidence de creation / Ferme du Buisson, scène nationale de Marne-la-Vallée / Région Rhône-Alpes Fonds [SCAN] / Atelier Arts-Sciences, Grenoble / Les Champs Libres, Rennes / Centre des Arts, Enghien-les-Bains 
Co-financiado pelo programa «Lille, Ville d’Arts du Futur» visando desenvolver a experimentação de misturas entre as artes e as inovações tecnológicas. 
Artistas em residência no Centre de Création et de Production de la Maison de la Culture de Nevers et de la Nièvre (MCNN)
Micro Mondes, Lyon

Colaboração Ministère de la Culture et de la Communication DICRéAM

A Companhia Adrien M & Claire B é subsidiada pela DRAC Auvergne-Rhône-Alpes, pela Região Auvergne-Rhône-Alpes e pela Cidade de Lyon.

Fotografia de capa: ©Romain Etienne

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s