Dançar Não Tem Preço | DEZEMBRO

Em Dezembro encontra muita dança para viver em família… Por isso não hesite: saia de casa e aprecie tudo o que a dança tem para lhe oferecer!

Dançar Não Tem Preço é a rubrica do LES CORPS que divulga espectáculos e eventos de dança gratuitos ou de preço simbólico (até 5€). Queremos incluir nesta agenda mensal espectáculos, performances, oficinas e exposições de todo o país. Para divulgação, por favor envie informações para: redacao@lescorpsdansants.com.

AGENDA DE NOVEMBRO

orizuro - foto divulgacao 2
foto: divulgação/Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Espectáculo

Orizuro, pela Companhia de Música Teatral

1 de Dezembro | 11h00

2 de Dezembro | 17h00 | Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Preço: 4€

Estreia

Para bebés e crianças

«Orizuro é uma viagem mundo dos pássaros. De todos os pássaros, os reais e os imaginários, os das histórias, da poesia, da música, os que nos convidam a voar, os que cantam connosco. Três intérpretes levam bebés e crianças (e com elas os adultos) aos ninhos onde a música nasce com o movimento e traçam caminhos inesperados povoados de sons e imagens.

O orizuru na cultura tradicional japonesa é um símbolo de felicidade e na segunda metade do século vinte, após a bomba de Hiroshima, tornou-se num ícone do desejo de paz. A ideia de “afinação” tem estado presente em grande parte dos trabalhos da CMT, que tem usado a expressão “tuning people, birds and flowers” para se referir à procura, através da experiência artística, da afinação das pessoas com o que as rodeia. São esses os “pássaros” que Orizuro procurará revelar. Ou construir. Vivemos num tempo que precisa da nossa atenção urgente para a necessidade de preservarmos o mundo em que vivemos. Há muitas formas de o fazer. Ensinar a olhar e escutar de forma poética é certamente uma das que faz falta e deve ser promovida desde que nascemos.» Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Concepção Companhia de Música Teatral

Direcção artística e música Paulo Maria Rodrigues

Luz e co-criação coreográfica Pedro Ramos

Visuais e interactividade Rodrigo Carvalho

Cenário Miguel Ferraz

Figurinos Rita Roberto

Gestão de recursos educativos Helena Rodrigues

Interpretação Inês Silva, Rita Roberto e António Dente

Mais info: Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

Nota: O espectáculo de 2 de Dezembro será seguido de uma conversa com a Companhia de Música Teatral e os profissionais envolvidos nas experiências e percepções do Projecto ORIZURO.

 

marinho - margarida mestre-foto diogo marques
foto: Diogo Marques

Espectáculo

Marinho, de Margarida Mestre

1 de Dezembro | 16h00 | Teatro do Campo Alegre, Porto

Preço: 2€ e 5€

Para crianças a partir dos 3 anos

«O que é que acontece na realidade e no nosso imaginário quando nos relacionamos com essa imensidão líquida que é o mar, que tanto tem cá fora como lá dentro, que tanto provoca atracção como medo, que tanta História nos fez, tanta história nos dá, e tantas nos faz fazer?

Como mergulhamos agora nessa matéria infinita? Como a trazemos para terra em forma de língua, em forma de experiência, em forma de visão….? Marinho nasce do convite à Margarida Mestre no âmbito do ciclo “Um artista, sete programadores”, que assenta sobre a seguinte premissa: criar, para todos os públicos de sete instituições, uma só obra que possa ser apresentada em diferentes etapas do processo criativo.» Teatro Municipal do Porto

Concepção e interpretação Margarida Mestre

Música original e ao vivo Henrique Fernandes

Espaço cénico e figurinos Maria João Castelo

Desenho de luz Nuno Figueira

Antropólogo convidado Pedro Prista

Bióloga convidada Ana Pêgo

Mais info: Teatro Municipal do Porto

 

geminis - antonio torres sergio matias - foto miguel bartolomeu
foto: Miguel Bartolomeu

Espectáculo – work in progress

Geminis, de António Torres e Sérgio Matias

1 de Dezembro | 18h30 | Espaço Alkantara

Entrada livre

Inserido no Temps d’Images

«And what is the practice that needs to be practiced in order to ensure that the political does not vanish form the world? Precisely that thing called freedom. The vanishing of the political thing from the world is the vanishing of the experience and practice of movement as freedom.» André Lepecki

«Nesta peça procuramos, através da ideia de paralelo e da construção de várias simetrias e sincronias, encontrar um corpo consequente, uma coreografia do possível a partir do encontro de dois corpos com frequências energéticas amplas comuns.

Geminis é uma coreografia interseccional onde, a partir das multiplicidades transversais individuais e biográficas de dois corpos, se procuram unicidades, analogias para a construção e um novo corpo. Desenvolvem-se paradigmas de um corpo de hoje, um corpo referencial, imagético, enérgico, que engole o ar na construção de si, através do encontro e da possibilidade de infiltração no/do outro. Não enquanto projeção, antes enquanto contaminação de lugares comuns.» António Torres e Sérgio Matias

Criação, interpretação e figurinos António Torres e Sérgio Diogo Matias

Desenho de luz e operação Sara Garrinhas

Música Mestre André

Textos e documentação Telma João Santos

Mais info: Temps d’Images

Nota: O espectáculo será seguido de  conversa com os artistas, Cláudia Galhós, Lígia Soares e Vera Mantero.

 

danca - francisco campos - foto francisco campos
foto: Francisco Campos

Espectáculo

Dança, de Francisco Campos, pelo Projecto Ruínas

1 de Dezembro | 21h30 | Fauna, Vila Nova de Famalicão

Preço: 4€

«Três intérpretes dançam entre recordações e imagens de arquivo.

A história de três personagens que só se entendem quando dançam…

Dança é uma espécie de esforço biográfico, em que três intérpretes descrevem no espaço as suas vidas atribuladas, os seus problemas pessoais, a sua incapacidade de se relacionarem entre si, e depois morrem em cena.

Em palco assistimos, na verdade, a três”danças da morte”. As personagens, que até podiam ser fantasmas, lutam contra a inevitabilidade da sua própria morte. Uma tragicomédia dançada.» Projecto Ruínas

Concepção e encenação Francisco Campos

Interpretação João de Brito, Leonor Keil e Francisco Campos

Desenho de luz Nuno Patinho

Figurinos Maria Reis Rosa

Mais info: Teatro da Didascália

Nota: O espectáculo será seguido de conversa e ceia com os artistas.

 

sweet-bitter -Thomas-Hauert-foto Filip Vanzieleghem
foto: Filip Vanzieleghem

Espectáculo

(sweet)(bitter), de Thomas Hauert

1 de Dezembro | 21h30 | Convento São Francisco, Coimbra

Preço: 5€

Inserido no Linha de Fuga

«Thomas Hauert é um bailarino e coreógrafo cuja pesquisa sofisticada, baseada na improvisação sobre o movimento, tem um forte relacionamento com a música, seja música real ou a musicalidade do próprio movimento. Neste solo, Thomas confronta a interpretação musical com a interpretação coreográfica. Ele usa uma única peça de música existente, Si dolce èl tormento de Claudio Monteverdi, mas em várias interpretações, que ele vai ligar relação com 12 Madrigali de Salvatore Sciarrino.

Abrem-se inúmeras possibilidades através deste confronto. Por exemplo, de que forma as interpretações musicais e os instrumentos usados influenciam o movimento? De que forma as diferentes interpretações musicais podem influenciar a mesma proposta coreográfica? Que musicalidade pode ser lida num movimento baseado em música quando essa música não pode ser ouvida. Hauert interpreta este poema musical de amor impossível como a expressão de um conflito entre a felicidade de perseguir um ideal e o tormento de saber que esse ideal permanecerá inalcançável, uma tensão que é um motor universal da vida, mas que tem tantas formas quanto muitas interpretações, uma vez que existem visões individuais desse país perfeito.» Linha de Fuga

Conceito, coreografia e interpretação Thomas Hauert

Desenho de luz Bert Van Dijck

Figurinos Chevalier – Masson

Música Claudio Monteverdi, Si dolce èl tormento

Mais info: Linha de Fuga

 

a minha historia da danca nadia lauro - foto divulgacao
foto: divulgação

Palestra

A Minha História da Dança, com Nadia Lauro

6 de Dezembro | 18h30 | Biblioteca Camões, Lisboa

Entrada livre

«Todos nós, bailarinos, coreógrafos ou performers, recebemos de alguma maneira e por alguma via, mais académica ou mais autodidacta, uma ideia da História da Dança, ou da História das Artes Performativas, da qual nos sentimos “descendentes” (e talvez nos sintamos descendentes de várias Histórias ao mesmo tempo!). Houve certamente criadores coreográficos ou cénicos que nos fizeram entender a arte que fazemos da forma como a entendemos hoje. Cada um tem uma ideia específica de como essa História se desenrolou, e para cada um há determinados criadores e determinados movimentos e correntes artísticas que contribuíram para configurar a ideia de dança que tem e pratica e que, de alguma forma, está respondendo a essa História. Estas palestras dar‐nos‐ão a oportunidade de conhecer a História da Dança que cada um criou dentro de si.» Vera Mantero

“Artista plástica e cenógrafa, desenvolve o seu trabalho em múltiplos contextos (espaço cénico, arquitectura paisagística, museus), há várias décadas. Concebeu cenografia, ambientes e instalações visuais com forte poder dramatúrgico, criando novas formas de ver e estar em conjunto. Colaborou com coreógrafos e intérpretes internacionais, de mencionar: Vera Mantero, Benoît Lachambre, Frans Poelstra, Martin Belanger, Ami Garmon, Bárbara Kraus, Emmanuelle Huynh, Fanny de Chaillé, Alain Buffard, Antonija Livingstone, Latifa Laabissi, Jonathan Capdevielle, Laeticia Dosh, e com Jennifer Lacey, com quem co-criou vários projectos. […]” Nadia Lauro

Mais info: Forum Dança e O Rumo do Fumo

 

 

endless - henrique amoedo - foto júlio silva castro
foto: Júlio silva Castro

Espectáculo

Endless, de Henrique Amoedo, com o Grupo Dançando com a Diferença

7 de Dezembro | 21h30

8 de Dezembro | 16h00 | Teatro Viriato, Viseu

Preço: 3€

«O Holocausto vivido durante a II Guerra Mundial é o ponto de partida de Endless, espectáculo que o grupo Dançando com a Diferença – Viseu apresenta no Teatro Viriato, em parceria com o grupo da Madeira.

Mais do que abordar este acontecimento a partir dos dados históricos, neste espectáculo procura-se que a obra artística alerte para a importância de rever o passado, fazer as suas ligações com o presente, para que se tenha um olhar atento para o que queremos para o nosso futuro. Dança, música e vídeo interagem assim questionando a condição humana. Endless é um espectáculo que marca dois anos de actividade do grupo Dançando com a Diferença – Viseu.» Teatro Viriato

Conceção, direcção artística e desenho de luz Henrique Amoedo

Coreografia Henrique Amoedo (com colaboração de Telmo Ferreira e Joana Caetano)

Ensaios Telmo Ferreira, Natércia Kuprian e Ricardo Meireles

Interpretação Dançando com a Diferença – Viseu e convidados

Desenho de vídeo Filipe Ferraz   

Desenho e elaboração dos figurinos Dançando com a Diferença (Portugal) e Põltsamaa Art Association (Estónia)

Desenho dos cenários Dançando com a Diferença (Portugal) e Center for Disabled Persons “Divine Mercy” (Polónia)

Construção dos cenários Center for Disabled Persons “Divine Mercy” (Polónia)

Mais info: Teatro Viriato

 

danca materna - ana oliveira - foto-divulgacao
foto: divulgação/Centro de Artes de Águeda

Oficina

Dança Materna, de Ana Oliveira, pelo projecto Cres(SER)

8 de Dezembro | 15h30 | (0-1 ano)

8 de Dezembro | 17h00 | (1-2 anos)

9 de Dezembro | 15h30 | (2-3 anos) | Centro de Artes de Águeda

Entrada livre, sujeita a inscrição

Para bebés dos 0 meses aos 3 anos

«Através da dança e do desenho, pais e filhos relacionam-se como um só corpo criativo. As sessões começam com um momento de aquecimento através de exercícios adaptados do Pilates e da dança como ponto de partida. Posteriormente o desenho surge sem necessidade de qualquer outro instrumento senão o próprio corpo em movimento. Numa atitude de liberdade de movimentos e expressão, e sempre na relação entre corpo do pai/mãe e corpo do bebé, vamos dar vida a pinturas cheias de cor, movimento e afectos.» Centro de Artes de Águeda

Mais info: Centro de Artes de Águeda

Inscrições: formulário online

 

alvinailey-revelation-foto-nanmelville
foto: Nan Melville

Filme

Chroma, de Wayne McGregor

Graça, de Ronald K. Brown

Takademe, de Robert Battle

Revelações, de Alvin Ailey

Pela Alvin Ailey American Dance Theater

8 de Dezembro | 22h40 | RTP2

Acesso livre

«Quatro coreografias modernas eletrizantes. O sumptuoso Chroma de Wayne McGregor com Jack White e Joby Talbot; a poderosa Graça de Ronald K. Brown, com música de Duke Ellington, Roy Davis Jr. e Fela Kuti; o alto voo Takademe do bem-humorado Robert Battle; e a aclamada peça Revelações de Alvin Ailey – “uma das grandes obras do espírito humano” que vai abanar a alma.» RTP

Coreografias Wayne McGregor, Ronald K. Brown, Robert Battle e Alvin Ailey

Realização Matthew Diamond, 2016

Mais info: RTP

 

nocturno-joanagama-victorhugopontes-fotodivulgacao2
foto: divulgação/Teatro Aveirense

Espectáculo

Nocturno, de Joana Gama e Victor Hugo Pontes

9 de Dezembro | 17h00 | Teatro Aveirense, Aveiro

Preço: 3€

Para crianças a partir dos 6 anos

«Na imaginação das crianças, a noite é talvez o primeiro dos grandes mistérios. As sombras, o escuro, o silêncio, os barulhos da rua e os movimentos na casa propiciam pensamentos fantasiosos, muitos medos, algum fascínio. Alicerçado num trabalho com escolas em diversas fases da criação, Nocturno inspira-se em muitas noites possíveis – na aldeia e na cidade, ao relento ou em abrigos improváveis. Diferentes sons e experiências, com ou sem estrelas, mas sempre sob o mesmo céu escuro.» Nome Próprio

Co-criação Joana Gama e Victor Hugo Pontes

Direcção e cenografia Victor Hugo Pontes

Interpretação Joana Gama, João Santiago e Victor Hugo Pontes

Composição musical João Godinho

Desenho de luz e direcção técnica Wilma Moutinho

Sonoplastia Suse Ribeiro e João Godinho

Desenho de som Suse Ribeiro

Maquinaria de cena Filipe Silva

Adereços Emanuel Santos

Mais info: Teatro Aveirense

 

no category practice-renan martins-foto-leandromoraes
foto: Leandro Moraes

Apresentação aberta

No Category Practice, com Renan Martins

9 de Dezembro | 21h00 | MIRA artes performativas, Porto

Entrada livre

«No Category Practice é uma mistura de diferentes práticas de movimentação. Mais do que o que estas práticas podem oferecer individualmente, prestamos atenção especial ao que elas têm em comum. Como elas se complementam e como o resultado desta mistura pode ampliar nosso leque de possibilidades como movers, artistas, dançarinos, humanos.

Iniciamos considerando categorias como ferramentas básicas pelas quais conhecemos e fazemos sentido de nós mesmos e do que nos diz respeito. A partir disso, confrontamos essas categorias trazendo-as à consciência. Observando que as mesmas foram criadas para moldar algum tipo de imagem de identidade e assim limitar nossas possibilidades de conexão (connosco e com os outros).

Convidamos a mente para o trabalho de imaginação, analogias, comparações, símbolos. Desdobrando a dança e criando metáforas que servirão de mecanismos para escapar da rigidez da categorização.

Algumas das práticas foram criadas por ou inspiradas no trabalho de Meg Stuart, Thomas Hauert, Salva Sanchis, Anne Teresa de Keersmaeker e Peter Savel.» MIRA artes performativas

Orientação da formação intensiva Renan Martins

Programação Hugo Cruz

Mais info: MIRA artes performativas

 

letsdance-seppebaeyens-fotodivulgacao-seppe baeyens
foto: divulgação/Seppe Baeyens

Oficina

Let’s Dance!, com Seppe Baeyens

13 de Dezembro | 19h00 | Teatro do Campo Alegre, Porto

Entrada livre

Inserido no Foco Famílias

Para crianças a partir dos 8 anos

«Neste workshop, os participantes poderão ter uma pequena experiência relacionada com a dança contemporânea juntamente com um grupo intergeracional de participantes, poderão explorar os possíveis significados de partilha de espaço, fazendo uma conexão e usando a dança para se relacionar com os outros.» Teatro Municipal do Porto

Orientação da oficina Seppe Baeyens

Mais info: Teatro Municipal do Porto

 

clarao - circolando - foto divulgacao.circolando
foto: divulgação/Circolando

Espectáculo

Clarão, de André Braga e Cláudia Figueiredo

14 de Dezembro | 21h00

15 de Dezembro | 15h00 | Teatro Municipal de Bragança

Entrada livre, sujeita ao levantamento de bilhete

Inserido no Algures a Nordeste

«Desenvolver uma reflexão sobre a ideia de ritual a partir do Serapeum de Panóias foi o desafio-convite na origem do projecto.

Complexo arqueológico de grande singularidade, situado nos arredores de Vila Real, Panóias é um intrigante espaço ligado aos inícios do sagrado, quando as grandes fragas e os grandes montes eram como que divinizados. Templo depois dedicado aos deuses severos e a Serápis fica associado aos mistérios do mundo subterrâneo e da vegetação. […]

Pedra, ar, sangue, cinzas, espectros, fantasmagorias, incubação de sonhos, clarões… Interessa-nos muito aprofundar este tempo dos princípios dos deuses, as visões panteístas e outras versões do sagrado difuso. Interessa-nos um universo nocturno, de medos e desconhecidos avassaladores. Interessam-nos os rituais de transe, de iniciação, a energia vermelha, o convite à “ultrapassagem dos seus próprios limites à procura do limiar”. […]» Circolando

Direcção André Braga

Dramaturgia Cláudia Figueiredo e Gonçalo Mota

Composição musical Pedro Augusto

Co-criação e interpretação Bruno Senune, Daniela Cruz, Valter Fernandes e grupo da comunidade local

Assistência de direcção Ricardo Machado

Concepção plástica André Braga e Pedro Azevedo

Vídeo Gonçalo Mota

Luz Cláudia Valente

Realização plástica Pedro Azevedo e Pedro Coutinho

Mais info: Teatro Municipal de Bragança

 

ultimavez-invited-seppebaeyens-fotodanny-willems
foto: Danny Willems

Espectáculo

Ultima Vez – Invited, de Seppe Baeyens

15 de Dezembro | 16h00 e 19h00

16 de Dezembro | 19h00 | Teatro do Campo Alegre, Porto

Preço: 2€ e 5€

Inserido no Foco Famílias

Para crianças a partir dos 6 anos

«Vejo-me como alguém que cria ligações entre gerações, usando a dança como linguagem. Acredito que há uma grande força nisso.» Seppe Baeyens

«Em Invited, Baeyens procura dar a sua resposta artística à questão de como é que o público pode ajudar a escrever a coreografia de uma performance. Tomando a dança como uma linguagem comum, procura uma forma alternativa de vivermos juntos e desvanecer as fronteiras entre intérpretes e público. Este espectáculo é composto por um grupo intergeracional de intérpretes que reflete a sociedade contemporânea. O público desempenha um papel fundamental e terá a oportunidade de assumir o controlo. O dispositivo cénico divide e une, aparece e desaparece, guiando quer os intérpretes, quer o público, através da história colectivamente escrita.» Teatro Municipal do Porto

Direcção e coreografia Seppe Baeyens

Em criação com Emile Van Puymbroeck, Luke De Bolle, Chisom Onyebueke Chinaedu, Leonie Van Begin, Rosa Boateng, Oihana Azpillaga, Ischa Beernaert, Esther Motuanya, Roel Faes, Trui De Mulder, Adnane Lamarti, Seppe Baeyens, Frank Brichau, Stephan Verlinden, Elisabeth Wolfs e Leon Gyselynck

Música original ao vivo Stef Heeren, Kwinten Mordijck, Karen Willems

Dramaturgia Kristin Rogghe

Cenografia e desenho de luz Ief Spincemaille

Figurinos Lieve Meeussen

Assistente de movimento German Jauregui

Aconselhamento artístico Wim Vandekeybus

Mais info: Teatro Municipal do Porto

 

aquecimento parelelo-foto ginasiano-M.O.V.E.
foto: divulgação/Projecto M.O.V.E.

Oficina

Aquecimento Paralelo com Nara Gonçalves, Sara Moreira e projecto M.O.V.E.

15 de Dezembro | 17h30 | Teatro do Campo Alegre, Porto

Entrada livre

Inserido no Foco Famílias

Para crianças a partir dos 6 anos

O Aquecimento Paralelo é «um workshop que acontece regularmente, desafiando uma vez por mês os espectadores a experimentarem a ideia ou movimento de determinado espectáculo, mesmo antes de o verem. Este workshop dá não só a possibilidade de ter uma breve abordagem a diferentes linguagens, como também proporciona a todos os que nele participam (com ou sem experiência) uma relação com os espectáculos bastante diferente da habitual.»

«A sessão do Aquecimento Paralelo no “Foco Famílias” envolve três gerações.

Nara Gonçalves de 14 anos, promissora intérprete da novíssima geração, Sara Moreira, professora do Ginasiano Escola de Dança, e um participante sénior do projecto MO.V.E. Os três irão orientar o Aquecimento Paralelo de Dezembro, focando-se na ideia de evolução e colaboração.» Teatro Municipal do Porto

Orientação da sessão Nara Gonçalves e Sara Moreira, em colaboração com o projecto MO.V.E. – Movimento pela Valorização de Envelhecimento

Coordenação do programa Cristina Planas Leitão

Mais info: Teatro Municipal do Porto

 

mnesimo-ameliabente-fotojoaquimleal
foto: Joaquim Leal

Espectáculo

Mnésimo, de Amélia Bentes

15 de Dezembro | 18h30 | Musibéria, Serpa

Entrada livre

«Mnésimo é um trabalho coreográfico sobre memória, actualização, contextualização, em torno do trabalho de Amélia Bentes, que convida Sérgio Diogo Matias, seu aluno e bailarino durante 5 anos e com quem não trabalhava também há 5 anos. Procuraram as peças em que Sérgio Diogo foi seu intérprete, trabalharam sobre algumas ideias e momentos, contextualização e recontextualização de vários elementos das mesmas. É um trabalho que tem, hoje, reverberação quando se pensam lugares de encontro, de quase-desistência e, no entanto, resistência, e de reconhecimento. Dois corpos ocupam um território que, à partida, transporta consigo texturas, símbolos, transformando-se num território comum, carregado de memórias e actualidade. Dois corpos que comunicam lugares com diferentes proximidades.» Telma Santos

Coreografia Amélia Bentes

Co-criação e interpretação Sérgio Diogo Matias e Amélia Bentes

Assistência técnica Nuno Labau

Música Jon Luz

Mais info: Musibéria

 

decadance-batsheva-fotogadidagon
foto: Gadi Dagon

Filme

Deca Dance, de Ohad Naharin, pela Batsheva Dance Company

15 de Dezembro | 22h15 | RTP2

Acesso livre

«Em Decadance, selecciono partes de diferentes trabalhos. É como se eu citasse apenas o início, o meio ou o final de muitas histórias e, no entanto, a minha tarefa é criar uma nova história, coerente no seu todo.» Ohad Naharin

«Decadance inclui excertos seleccionados dos seguintes trabalhos de Ohad Naharin: Kyr (1990), Anaphase (1993), Sabotage Baby (1997), Naharin’s Virus (2001), Kamuot (2003), Mamootot (2003), Three (2005), George and Zalman (2006), Max (2007), Seder (2007) e Sadeh21 (2011).» Batsheva Dance Company

Coreografia Ohad Naharin

Realização Jean-Marc Birraux, 2014

Mais info: RTP

 

girl-lukasdhont-fotodivulgacao
Imagem: divulgação

Filme

Girl, de Lukas Dhont

17 de Dezembro | 21h30 | Theatro Circo, Braga

Preço: 3,50€

«Lara é uma jovem menina de quinze anos. O seu maior sonho é tornar-se uma bailarina profissional e, com a ajuda do pai, ela procura uma nova escola de dança para desenvolver a sua técnica. No entanto, encontra dificuldades em adaptar-se aos movimentos executados nas aulas devido à sua estrutura óssea e muscular, já que Lara nasceu no corpo de um menino.» Theatro Circo

Realização Lukas Dhont, 2018

Mais info: Theatro Circo

 

curtasdedanca-armazem22-festivalddd
Imagem: divulgação

Chamada aberta a projectos diversos até 5 de Novembro

Curtas de Dança

Armazém 22 | Festival DDD – Dias da Dança

«As Curtas de Dança são uma mostra de trabalhos de curta duração, focando-se na apresentação de objectos artísticos experimentais com uma forte vertente laboratorial. Nesta edição, as apresentações dos trabalhos terão lugar nos dias 2 e 3 de Maio de 2019 às 19h00, no Armazém 22 [em Vila Nova de Gaia], no âmbito do Festival DDD – Dias da Dança.

Os projectos a apresentar serão selecionados através de candidatura e podem ser desenvolvidos em diferentes formatos: performance, documentário, vídeo-dança, entre outrosArmazém 22

Mais info: Armazém 22

 

margem-victorhugopontes-fotojosecaldeira
foto: José Caldeira

Chamada à participação em espectáculo

Margem, de Victor Hugo Pontes

Inscrições até 21 de Dezembro | Centro de Arte de Ovar

«Para o espectáculo Margem, o coreógrafo Victor Hugo Pontes convida 8 crianças (rapazes) com idades compreendidas entre os 7 e os 10 anos, com alguma destreza física, a integrarem o espectáculo como figuração especial.

Durante alguns dias poderão conhecer o elenco e trabalhar com o coreógrafo/encenador, sendo parte integrante dos “capitães da areia” dos dias de hoje.» Centro de Arte de Ovar

Mais info: Centro de Arte de Ovar

Nota: A participação é gratuita, mediante inscrição prévia para o email caovar@cm-ovar.pt

 

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s